PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Ucrânia busca ajuda externa para evitar turbulência econômica

Governo espera que a União Europeia assine 1,2 bilhão de euros (US$ 1,4 bilhão) em empréstimos incondicionais este mês

Mesmo com a situação “turbulenta”, a Ucrânia também conseguiu aumentar a receita do orçamento do Estado em janeiro
Por Aliaksandr Kudrytski e Anna Edwards
07 de Fevereiro, 2022 | 09:10 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg News — A Ucrânia aposta que a ajuda externa e uma alta na arrecadação de impostos durante a recuperação econômica ajudarão o país a enfrentar o estresse financeiro resultante da intensificação dos alertas de uma possível invasão russa.

O governo espera que a União Europeia assine 1,2 bilhão de euros (US$ 1,4 bilhão) em empréstimos incondicionais este mês e também iniciou negociações com o Tesouro dos EUA sobre garantias de dívida, disse o ministro das Finanças, Serhiy Marchenko, em entrevista.

PUBLICIDADE

Mesmo com a situação “turbulenta”, a Ucrânia também conseguiu aumentar a receita do orçamento do Estado em janeiro acima do esperado, o que Marchenko disse que pode enviar um sinal positivo para os investidores depois que o país teve dificuldades para acessar os mercados de dívida, acrescentou.

“Isso nos ajudou a criar proteção suficiente para mitigar qualquer risco que possamos imaginar”, disse Marchenko. “Precisamos de sinais positivos para acalmar os mercados, para mostrar que somos fortes o suficiente, que somos capazes de pagar nossas dívidas.”

As reservas internacionais da Ucrânia caíram mais do que o esperado no mês passado e a moeda do país, hryvnia, também caiu em relação ao dólar, após a Otan e os EUA apontarem que a concentração de mais de 100 mil soldados russos perto das fronteiras era um sinal de possível invasão. O Kremlin negou repetidamente esses planos.

PUBLICIDADE

A Ucrânia já recebeu US$ 100 milhões em apoio do Canadá e continua conversando com Alemanha, Reino Unido e outros parceiros sobre pacotes de ajuda bilateral, segundo Marchenko. Juntamente com a ajuda esperada do Fundo Monetário Internacional, o país pode levantar um total de US$ 2,2 bilhões em apoio este ano de organizações internacionais.

“Não estamos sozinhos e este ano espero que possamos combater todas as situações possíveis”, disse Marchenko.

--Com a colaboração de Tom Mackenzie

Leia também

Fintechs brasileiras querem surfar a onda do boleto parcelado

Críticas de Lula à Petrobras ecoam campanha de 2002

PUBLICIDADE