PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Amazon dispara 14%, na maior alta diária em quase 7 anos

Balanço da varejista mostrou grande aumento do lucro no quarto trimestre e forte desempenho em sua divisão de nuvem

Valorização das ações deram à gigante do varejo uma capitalização de mercado de pouco mais de US$ 1,6 trilhão
Por Spencer Soper
04 de Fevereiro, 2022 | 07:23 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Línea — As ações da Amazon (AMZN) subiram nesta sexta-feira (4) para a maior alta em quase sete anos, gerando o maior ganho de valor de mercado em um único dia na história dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

O entusiasmo de Wall Street com a varejista foi estimulado pelo balanço da gigante de tecnologia na tarde de quinta-feira (3), que mostrou forte desempenho em sua divisão de nuvem, um enorme aumento no lucro – em grande parte impulsionado pelo investimento na Rivian Automotive –, além de um aumento de preço em sua principal oferta de assinatura Prime.

As ações subiram 14%, para US$ 3.152,79 no fechamento desta sexta-feira (4) em Nova York – o maior avanço em um único dia desde abril de 2015. O salto acrescentou cerca de US$ 191 bilhões em valor de mercado, dando à gigante do varejo online uma capitalização de mercado de pouco mais de US$ 1,6 trilhão.

PUBLICIDADE

A reação dos investidores destaca a importância da diversificação da Amazon de suas raízes no comércio eletrônico. Embora as vendas das lojas online tenham diminuído em relação aos ganhos alimentados pela pandemia do ano passado, os lucrativos negócios de computação em nuvem e publicidade da Amazon se combinaram para mais do que compensar isso.

“A Amazon evoluiu para uma verdadeira plataforma, pois mais de 50% de sua receita agora vem de áreas fora do varejo primário, como computação em nuvem e publicidade”, disse Deren Baker, CEO da empresa de pesquisa de mercado Edge by Ascential, na quinta-feira, após o balanço da companhia.

Os resultados da empresa chegaram em meio a uma semana emocionante para os ganhos de “big techs”.

A Apple (AAPL), a Microsoft (MSFT) e a Alphabet (GOOG) relataram bons resultados. Mas a Meta (FB), dona do Facebook, sofreu a pior queda de ações em um único dia de sua história na quinta-feira, um dia depois de relatar a desaceleração do crescimento de usuários em seu aplicativo de assinatura do Facebook.

Em outubro, a Amazon havia alertado os investidores que gastaria bilhões no período de férias para garantir que os pacotes chegassem aos clientes em meio a gargalos na cadeia de suprimentos e uma aguda escassez de mão de obra. Muitos desses gastos foram para a contratação de 140.000 trabalhadores - pouco abaixo de sua meta de trazer 150.000 funcionários durante o trimestre.

PUBLICIDADE

Veja mais: Amazon deve agregar mais de US$ 150 bilhões com última oscilação de valor

A Amazon também concedeu bônus aos trabalhadores e chegou a despachar veículos meio vazios se isso significasse entregar os pacotes aos clientes no prazo, e garantir espaço em qualquer navio que encontrasse – o que levou a gastos de US$ 22,4 bilhões.

Os gastos maciços ajudaram a reforçar o valor da assinatura Prime com os clientes, dando à empresa confiança para aumentar o preço de US$ 20 para US$ 139 por ano – o primeiro aumento desse tipo desde 2018.

Prime, que oferece aos assinantes descontos de envio, streaming de vídeo e outras vantagens, ajuda a Amazon a converter compradores ocasionais em clientes fiéis. Os assinantes Prime geralmente gastam mais na Amazon do que os não membros.

“Como esperado durante as férias, vimos custos mais altos devido à escassez de mão de obra e pressões inflacionárias, e esses problemas persistiram no primeiro trimestre devido à ômicron”, disse o CEO Andy Jassy, em comunicado. “Apesar desses desafios de curto prazo, continuamos otimistas e empolgados com os negócios à medida que emergimos da pandemia.”

As vendas do quarto trimestre aumentaram 9,4%, para US$ 137,4 bilhões, anunciou a empresa, que tem sede em Seattle (EUA), na quinta-feira em um comunicado. O lucro foi de US$ 27,75 por ação, auxiliado em grande parte por um ganho antes de impostos do investimento da empresa na Rivian (RIVN), que abriu seu capital em novembro.

PUBLICIDADE

Analistas, em média, projetavam receita de US$ 137,8 bilhões e lucro de US$ 3,77 por ação, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A unidade mais lucrativa da Amazon, a divisão de computação em nuvem Amazon Web Services, gerou vendas de US$ 17,8 bilhões, um aumento de 40% ano a ano e lucro operacional de US$ 5,29 bilhões, superando as estimativas.

A receita de publicidade foi de US$ 9,7 bilhões, um aumento de 32% em relação ao ano anterior. Esta foi a primeira vez que a empresa divulgou publicidade como um item de linha separado. Anteriormente, fazia parte da categoria de receita “outras”.

As vendas das lojas online caíram cerca de 1%, para US$ 66,1 bilhões. A receita de serviços que a Amazon oferece a comerciantes terceirizados aumentou 11%, para US$ 30,3 bilhões.

PUBLICIDADE

“Cada gota de lucro está sendo gerada pelo crescente negócio de nuvem da Amazon Web Services”, disse Sophie Lund-Yates, analista de ações da Hargreaves Lansdown. “É difícil não admirar o modelo de negócios. No entanto, ninguém deve perder de vista o fato de que a Amazon deveria ser uma gigante do varejo.“

Para o período encerrado em março, a receita projetada da Amazon é de US$ 112 bilhões a US$ 117 bilhões. O lucro operacional estimado é de até US$ 6 bilhões. Analistas, em média, estimam vendas de US$ 120,5 bilhões e ganhos de US$ 6,06 bilhões.

-- Com o auxílio de Michael Tobin e Kimberly Yuen.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: