Mercados

Nasdaq derrete 4,2% no maior sell-off tech desde setembro de 2020

Investidores passaram a antecipar apostas nos aumentos das taxas pelo BCE; rentabilidade dos títulos da Alemanha é a maior desde 2015

Nasdaq
Por Elaine Chen e Emily Graffeo
03 de Fevereiro, 2022 | 06:26 pm
Tempo de leitura: 2 minutos
Últimascotações

Bloomberg — O pior sell-off de ações de tecnologia desde o outono de 2020 derrubou os índices de ações dos EUA, interrompendo uma sequência de recuperação de quatro dias.

O Nasdaq 100 (NDX) teve baixa de 4,2% e o S&P 500 caiu 2,4% nesta quinta, após a Meta Platforms Inc. (FB), controladora do Facebook, sofrer uma desvalorização histórica que tirou mais de US$ 250 bilhões de seu valor de mercado.

As perdas ocorreram enquanto os investidores também digeriram as preocupações sobre a inflação persistentemente alta do Banco Central Europeu com comentários agressivos de Christine Lagarde. O euro subiu junto com os rendimentos dos títulos europeus. Enquanto isso, os títulos do Tesouros dos EUA seguiram os da zona do euro e o dólar caiu em relação às demais moedas globais.

“Fomos atingidos com um golpe duplo hoje com a grande queda no Facebook e a surpreendente notícia de que o BCE se tornou mais agressivo”, disse Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co.

PUBLICIDADE

Os números fracos de gigantes de tecnologia dos EUA, incluindo a Spotify Technology SA (SPOT), abalaram a confiança dos investidores que apostavam que uma forte temporada de lucros manteria as ações atraentes e combateria algumas de suas preocupações persistentes, incluindo uma política monetária mais rígida. Os mercados oscilaram acentuadamente e as ações estão sofrendo perdas este ano, à medida que as autoridades reduzem os estímulos para conter a inflação.

Política monetária

Na Europa, o Banco da Inglaterra elevou sua taxa básica e sinalizou que começaria a reduzir o balanço patrimonial com títulos. Enquanto isso, o BCE manteve suas taxas de juros e disse que as compras líquidas sob seu programa de apoio emergencial terminarão em março.

Lagarde disse que a inflação permanecerá elevada por mais tempo, mas o banco central está se aproximando “muito mais” de sua meta de inflação. O rendimento de dois anos da Alemanha subiu para o maior patamar desde 2015. O Stoxx Europe 600 caiu abaixo de sua média móvel de 100 dias.

PUBLICIDADE

“À medida que os mercados se concentram em grandes posições de política monetária de mercados desenvolvidos – e o sentimento dos investidores em todo o mundo muda – os lançamentos de dados de atividade econômica serão fundamentais”, disse Marilyn Watson, chefe de estratégia global de renda fixa fundamental da BlackRock (BKCC).

O crescimento no setor de serviços dos EUA recuou em janeiro para o ritmo mais lento em quase um ano. Enquanto isso, os pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA caíram mais do que o esperado na semana passada, para 238 mil, antes do relatório do payroll de sexta-feira.

“O relatório de empregos de amanhã é um lembrete de que as expectativas para a política do Fed são a principal influência neste mercado agora, e se os dados econômicos, especialmente os dados de inflação, chegarem ‘muito quentes’, isso reacenderá as preocupações do Fed como em janeiro, e esperaria pelo menos um retorno parcial da volatilidade de janeiro”, escreveu Tom Essaye, um ex-operador da Merrill Lynch que fundou o boletim informativo “The Sevens Report”. “Resumindo, a política do Fed ainda é muito importante para este mercado.”

O acompanhar nesta semana:

  • Relatório do Payroll de folhas de pagamento dos EUA para janeiro, sexta-feira;
  • Jogos Olímpicos de Inverno começam na China, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, deve participar da cerimônia de abertura, sexta-feira;

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Ações

  • O S&P 500 (SPX) terminou com baixa de 2,4%;
  • O Nasdaq 100 (NDX) caiu 4,2%;
  • O Dow Jones Industrial (INDU) teve baixa de 1,5%;
  • O MSCI World (MXWO) teve recuava 1,8%;

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index (DXY) recuou 0,3%;
  • O euro (EUR) subia 1,1% para US$ 1,1431;
  • O iene japonês (JPY) recuou 0,4% para 114,94 por dólar;

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos (GT10) subiu cinco pontos-base para 1,83%;
  • O rendimento dos títulos de 10 anos da Alemanha subia dez pontos-base para 0,14%;
  • O rendimento dos títulos de 10 anos do Reino Unido subia onze pontos-base para 1,37%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) subiu 2,1% para US$ 90,11 o barril;
  • O ouro (XAU) recuava 0,2% para US$ 1.806,80.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE