Saúde

Farmacêutica Roche vê diminuição da covid e de demanda por teste

Empresa aponta para uma provável desaceleração da doença durante o verão e outono no Hemisfério Norte

A Roche prevê um crescimento modesto para este ano, observando a possibilidade de que as vendas totais não aumentem
Por Marthe Fourcade e Tim Loh e William Wilkes
03 de Fevereiro, 2022 | 03:51 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — No início, foram principalmente os países que perceberam que o coronavírus estava prestes a se tornar endêmico. Agora, as empresas também vislumbram esse cenário.

Roche, uma dos maiores fabricantes mundiais de testes para diagnóstico, disse nesta quinta-feira que a covid-19 provavelmente começará a diminuir no próximo trimestre, o que significa que a demanda por seus testes diminuirá. Siemens Healthineers, concorrente que foi menos impulsionada pelo atual boom de exames, também apontou para uma provável desaceleração durante o verão e outono no Hemisfério Norte.

“Acreditamos que os sinais positivos, que vemos no horizonte, são reais”, disse o CEO da Roche Severin Schwan.

A estimativa da Roche ocorre em um momento em que mais países europeus revertem restrições, reconhecendo que os esforços para controlar a variante ômicron foram em vão -– especialmente porque as UTIs não estão mais lotadas de pacientes com covid. Itália, Suíça e Finlândia devem se juntar à Dinamarca, Irlanda e França e aliviar a maior parte das restrições à vida pública. A Noruega também flexibilizou a maioria das regras.

PUBLICIDADE

Nesse contexto, Roche prevê um crescimento modesto para este ano, observando a possibilidade de que as vendas totais não aumentem. Isso fez a ação cair em Zurique.

Ainda assim, por enquanto, a demanda por testes está em alta já que as pessoas se acostumaram a monitorar a saúde em casa e muitas procuram confirmar seu estado com testes PCR mais confiáveis, que detectam melhor a ômicron.

Outra onda de covid?

A Roche disse que sua premissa básica é de uma desaceleração no segundo trimestre, embora Schwan tenha moderado essa previsão.

“É possível que tenhamos outra onda”, disse ele em teleconferência. “Lembro que quando demos a estimativa no início do ano passado, éramos muito mais conservadores. Mesmo no meio do ano passado, eu esperava que a pandemia desacelerasse, e então fomos surpreendidos pela variante delta e depois pela ômicron. Mas também pode ser que a pandemia realmente chegue ao fim no meio do ano.”

PUBLICIDADE

A pandemia inflou a receita da farmacêutica suíça em cerca de 7 bilhões de francos (US$ 7,6 bilhões) no ano passado -– grande parte disso em diagnósticos -– e a Roche agora prevê que o número provavelmente cairá para 5 bilhões de francos este ano.

A Roche vende uma variedade de testes comuns de covid: PCRs, que são usados em laboratórios e são os mais confiáveis, testes de antígeno que ficam prontos em 15 minutos e geralmente são realizados em cabines de testes rápidos, e os exames para uso doméstico, que ganhou popularidade nos últimos meses. Até começou a vender um teste que pode distinguir entre a covid e a gripe em 15 minutos.

A demanda por testes feitos em casa provavelmente será a primeira a ter redução, enquanto as vendas de PCRs mais confiáveis mostrarão mais resiliência, de acordo com Schwan, da Roche.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Preço do aluguel explode em janeiro; veja bairros mais caros em SP e Rio

Bitcoin: Preços podem cair em breve, diz analista da Fundstrat