PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ibovespa fecha em queda apesar de melhora em Wall Street

Bolsa chegou a cair mais de 1% durante o pregão, enquanto mercado se prepara para decisão do Fed

Apesar da virada nas bolsas de NY, o Ibovespa ficou no vermelho
24 de Janeiro, 2022 | 06:53 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) não teve tempo de acompanhar a melhora nos mercados americanos e consolidou a tendência observada durante toda a sessão, encerrando o dia no vermelho, influenciado pela aversão a risco que tomou conta dos mercados globais na maior parte do pregão. O foco dos investidores é a decisão de juros do Federal Reserve, que será divulgada nesta quarta-feira. O dólar também foi impactado pelo clima ruim externo que, além do Fed, inclui a tensão entre Ucrânia e Rússia. As taxas do DI recuaram.

  • A bolsa ficou na casa dos 107 mil pontos e o dólar subiu quase 1%.

Nos EUA, um “sell-off” de ações, que parecia ser um dos piores dos últimos dois anos, foi praticamente extinto nos últimos minutos dos negócios desta segunda-feira quando investidores atrás de oportunidades de preço surgiram no fechamento do pregão. O movimento foi uma reversão de tirar o fôlego nos mercados, já abalados por tensões geopolíticas e pela campanha do Federal Reserve contra a inflação. As empresas de varejo, indústria e energia lideraram uma recuperação no S&P 500 (SPX) poucos minutos antes do fechamento depois que o indicador chegou a cair 4% no início do dia. O dólar ganhou, enquanto os títulos do Tesouro de 10 anos (GT10) terminaram o dia praticamente estáveis.

PUBLICIDADE

O comitê de mercado aberto do Federal Reserve decide o rumo da política monetária nesta quarta-feira (26), e a expectativa do mercado é de que anuncie um aumento das taxas de juros para março. Isso marca o primeiro aumento em mais de três anos. O Fed também deve passar a reduzir o balanço patrimonial da instituição logo em seguida.

  • Câmbio: O dólar subiu 0,74%, para R$ 5,49;
  • Bolsa: O Ibovespa caiu 0,92%, a 107.937 pontos;
    • Entre as maiores altas percentuais ficaram Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), Marfrig (MRFG3) e Braskem (BRKM5). Nas maiores perdas: Magazine Luiza (MGLU3), Banco Inter (BIDI11) e Banco Pan (BPAN4);
  • Juros: O DI com vencimento para janeiro de 2025 caiu de 11,17% para 11,09% enquanto o de 2027 foi de 11,30% para 11,20%;
  • Exterior: Em Nova York, o Dow Jones subiu 0,29%, o S&P 500 0,28% e o Nasdaq, 0,63%;
  • Bitcoin: Perto das 18h30, a criptomoeda operava em alta de 5,10%, a US$ 37.009.

-- Com informações de Bloomberg News

Leia também

Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.

PUBLICIDADE