Internacional

Djokovic perde batalha judicial histórica na Austrália e será deportado

‘Respeito a decisão do Tribunal e cooperarei com as autoridades competentes em relação à minha saída do país’, disse Djokovic em comunicado

Tribunal decidiu revogar permissão de entrada do jogador por temores de que sua presença fortalecesse o sentimento anti-vacinação no país
Por Matthew Burgess
16 de Janeiro, 2022 | 09:20 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A postura antivacinação de Novak Djokovic custou um pagamento potencial de 2,875 milhões de dólares australianos (US$ 2,1 milhões) e uma chance na história do tênis.

O sérvio deixará a Austrália depois que o Tribunal Federal do país confirmou a decisão de revogar a permissão de entrada do jogador por temores de que sua presença fortalecesse o sentimento anti-vacinação no país. Não cabia ao tribunal decidir sobre o mérito da decisão, apenas se era ilógica ou legalmente irracional, disse o juiz James Allsop no domingo.

“Respeito a decisão do Tribunal e cooperarei com as autoridades competentes em relação à minha saída do país”, disse Djokovic em comunicado enviado por e-mail. “Agora vou tirar um tempo para descansar e me recuperar.”

Outros não foram tão otimistas em sua resposta.

PUBLICIDADE

“Eles o maltrataram por 10 dias apenas para entregar a ele um veredicto que tinham em mente desde o primeiro dia”, disse o presidente sérvio Aleksandar Vucic a repórteres em Belgrado após um telefonema com a estrela do tênis, informou a agência de notícias estatal Tanjug.

Djokovic foi enganado por ter recebido uma isenção para competir sem ser vacinado, “mas aí começou o assédio, uma caça às bruxas contra uma pessoa e um país”, disse Vucic. “Eles queriam mostrar como funciona a ordem mundial.”

É um golpe para as esperanças de Djokovic de ganhar o 21º título de Grand Slam recorde e seu prêmio considerável em dinheiro. O jogador mais bem classificado do mundo venceu o Aberto da Austrália nos últimos três anos e conquistou quase metade de seus títulos de Grand Slam no torneio.

A Associação de Profissionais de Tênis disse em comunicado que Djokovic foi um dos maiores campeões do esporte e que sua ausência no Aberto da Austrália foi “uma perda para o jogo”.

PUBLICIDADE

“Sabemos como os últimos dias foram turbulentos para Novak e o quanto ele queria defender seu título em Melbourne. Desejamos a ele tudo de bom e esperamos vê-lo de volta às quadras em breve.

“A ATP continua a recomendar fortemente a vacinação a todos os jogadores”, acrescentou a ATP.

Djokovic está pagando um alto preço por tentar contornar um requisito de entrada em um dos países mais vacinados do mundo. A cidade anfitriã Melbourne sofreu lockdowns rigorosos durante a pandemia, e a estrela do tênis enfrentou indignação pública desde que chegou com uma isenção médica em 5 de janeiro.

Uma pesquisa de opinião publicada pelo jornal Age de Melbourne no domingo mostrou que quase três quartos dos australianos acreditam que Djokovic deveria ter sido mandado para casa. Apenas 14% disseram que ele deveria poder ficar e jogar no Aberto da Austrália, mostrou a pesquisa com 1.607 pessoas.

Veja mais: Passaporte brasileiro é um dos melhores da América Latina para viajar em 2022

O fim da briga

Os advogados de Djokovic contestaram o uso de poderes especiais pelo ministro da Imigração, Alex Hawke, para revogar seu visto por motivos de saúde e boa ordem, e com base no interesse público. A decisão reverteu uma decisão judicial anterior que anulou o primeiro cancelamento de visto por razões processuais.

PUBLICIDADE

Hawke argumentou que a presença da estrela sérvia arriscava fortalecer o sentimento anti-vacinação entre uma minoria da população e, assim, criar um risco à ordem pública, de acordo com documentos judiciais. Djokovic não foi vacinado e mostrou um “aparente desrespeito” por regras básicas, como isolar-se após um teste positivo, o que pode encorajar ou influenciar outras pessoas a imitar sua conduta, disse Hawke.

Djokovic pode enfrentar uma proibição de três anos de entrar na Austrália, mas a proibição pode ser dispensada se houver “circunstâncias convincentes”, de acordo com o departamento de Assuntos Internos da Austrália.

Os advogados de Djokovic disseram que Hawke adotou uma “abordagem irracional” para avaliar se sua deportação era de interesse público e não citou nenhuma evidência de que sua presença possa fomentar o sentimento anti-vacinação. A única evidência de protestos referentes ao caso de Djokovic foi causada pelo cancelamento do visto pelo Estado pela primeira vez, disse o advogado Nick Wood na audiência de domingo.

Com ou sem razão, ele é percebido como endossando uma visão antivacinação e sua presença aqui é percebida como uma contribuição para isso”, disse o advogado Stephen Lloyd, que atua em nome do governo, ao tribunal.

PUBLICIDADE

A decisão unânime do tribunal encerra uma tumultuada preparação para o primeiro Grand Slam de tênis de 2022, depois que Djokovic entrou no sorteio, apesar das dúvidas sobre sua capacidade de permanecer no país. A saga foi questionada na maioria das coletivas de imprensa com os melhores jogadores do esporte, desviando a atenção do próprio torneio.

“O Australian Open é muito mais importante mais importante do que qualquer jogador,” disse o sexto do mundo, Rafael Nadal, a repórteres no sábado. “Novak Djokovic é um dos melhores jogadores da história, sem dúvida, mas não há um jogador na história que seja mais importante do que um evento.”

Patrick Mouratolglou, treinador de Serena Williams, twittou que “esperamos começar a falar sobre tênis”.

--Com colaboração de Charles Capel e Adeola Eribake

PUBLICIDADE

Leia também

EXCLUSIVO: Guaidó explica desafio de revogar presidência de Maduro

Verão em Punta del Este: quanto custa comer nos melhores restaurantes?

Últimas BrasilNovak Djokovic