Saúde

Covax atinge um bilhão de vacinas entregues às nações mais pobres

Dos 194 estados membros, 36 países vacinaram menos de 10% de sua população, mesmo quando as nações mais ricas já na quarta dose

O objetivo inicial da campanha Covax era ter 2 bilhões de doses de vacina disponíveis até o final de 2021
Por Loni Prinsloo
16 de Janeiro, 2022 | 09:01 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Uma carga de vacinas que chegaram a Ruanda empurrou o Covax, o programa criado para distribuir vacinas da covid-19 de forma mais equitativa, acima da marca de um bilhão de doses entregues até agora, disse a Organização Mundial da Saúde.

“A Covax está liderando a maior operação de aquisição e fornecimento de vacinas da história, com entregas para 144 países até o momento”, disse a Organização Mundial da Saúde em comunicado. “Mas o trabalho que entrou neste marco é apenas um lembrete do que ainda precisa ser feito.”

Dos 194 estados membros, 36 países vacinaram menos de 10% de sua população, mesmo quando as nações mais ricas passaram a fornecer aos cidadãos a terceira ou mesmo quarta dose.

“O mundo está em mais uma encruzilhada em nossa luta contra a covid-19″, disse Seth Berkley, chefe da aliança de governos, empresas, fundações e agências das Nações Unidas que administra a Covax.

PUBLICIDADE

Os esforços para distribuir vacinas para países mais pobres foram prejudicados por países ricos que estocam vacinas e fatores como fechamento de fronteiras cortando suprimentos, segundo a OMS.

A falta de compartilhamento de licenças, tecnologia e know-how pelas empresas farmacêuticas também fez com que a capacidade potencial de fabricação não fosse utilizada, disse a organização.

O objetivo inicial da campanha Covax era ter 2 bilhões de doses de vacina disponíveis até o final de 2021. Em setembro, a Covax havia entregue apenas cerca de 243 milhões de doses.

A entrega aumentou nos últimos meses, mas dezenas de países ainda estão lutando para transformar suprimentos disponíveis em vacinas.

PUBLICIDADE

Em Uganda, onde apenas 3,5% da população foi totalmente vacinada, o governo planeja destruir mais de 400 mil doses vencidas, de acordo com relatos da mídia local. A curta vida útil das vacinas também tem sido um problema em outros países.

Berkley disse que cerca de um milhão de mortes podem ser evitadas no próximo ano se adultos em países de baixa renda forem imunizados nos mesmos níveis alcançados em nações mais ricas.

Leia também

Passaporte brasileiro é um dos melhores da América Latina para viajar em 2022

Verão em Punta del Este: quanto custa comer nos melhores restaurantes?

PUBLICIDADE