PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

O que o reajuste da celulose da Suzano diz sobre a demanda chinesa

Aumento de US$ 50/tonelada reflete condições de mercado mais fortes do que o esperado na China, segundo analistas

Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A produtora de papel e celulose Suzano (SUZB3) anunciou um aumento de US$ 50/tonelada nos preços da fibra curta na Ásia para pedidos de fevereiro, indicando um aquecimento da demanda chinesa por matéria-prima de embalagens, na esteira do avanço do e-commerce em um contexto de retorno das restrições em vários países do mundo devido à multiplicação da ômicron e da influenza. O reajuste superou expectativas dos analistas Thiago Lofiego (Bradesco BBI) e José Cataldo (Ágora Investimentos), que estimavam um aumento de US$ 20 a US$ 30/tonelada em fevereiro e esperavam o anúncio de preços apenas na última semana do mês.

“Ambos os fatores apontam para condições de mercado mais fortes do que o esperado na China. De fato, a dinâmica oferta & demanda de celulose no início de 2022 é saudável, pois a combinação de muitas paradas para manutenção na América Latina (reduzindo cerca de 250 mil toneladas de produção de celulose de fibra curta) e interrupções contínuas no fornecimento (greves na Finlândia, gargalos logísticos) devem ajudar a manter o fornecimento mais apertado, enquanto a demanda ainda está saudável na Europa e melhorando na China”, escreveu a dupla de analistas em nota, considerando a Suzano como principal escolha no setor de papel e celulose.

PUBLICIDADE

Veja mais: Suzano alavanca produção de papel cartão com salto da demanda

Este é o terceiro aumento de preço anunciado pela Suzano recentemente na região, lembram os analistas. A companhia implementou um aumento de preço de US$ 20/tonelada no início de dezembro, seguido por outro de US$ 30/tonelada em janeiro).

Os sucessivos reajustes motivaram a ação da Suzano ser um das apostas de analistas de investimento. Em sua carteira de recomendação para janeiro, a Toro Investimentos tinha apontado o papel da companhia. “Detendo posição de destaque entre as maiores produtoras de celulose e integradas de papel do mundo, a Suzano se beneficia da elevada demanda mundial por seus produtos. Acreditamos que os preços do papel e da celulose tendem a ser impulsionados pelo crescimento da demanda por embalagens, em razão da expansão do e-commerce, e por papéis sanitários, em consequência do aumento da preocupação com questões relacionadas à higiene. Analisando os preços das ações da companhia, após sofrer um recuo abaixo dos R$ 50,00 já identificamos uma retomada do movimento comprador, o que contribui com nossa tese de compra para o mês de janeiro”, justificou Rafael Panonko, analista chefe da Toro Investimentos.

PUBLICIDADE

O perfil exportador da companhia favorece suas receitas diante das expectativas de aumento do dólar em relação ao real neste ano de disputa presidencial e de medição de riscos políticos com expectativas de mudança de normas regulatórias em diversos setores e de rumos de política econômica. O resultado do quarto trimestre de 2021 tem divulgação marcada para o próximo dia 9 de fevereiro, depois do fechamento da Bolsa, segundo o site de relações com investidores da Suzano.

No resultado do terceiro trimestre passado, a companhia havia enfrentado uma dinâmica mais desafiadora do seu principal mercado, o chinês, mas conseguiu manter a rentabilidade do segmento ao melhor explorar mercados periféricos e que apresentaram melhor dinâmica, como o norte-americano e o europeu, bem como o spread entre as fibras, segundo Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos. Em relatório, ele avaliou que o setor de papel estava consolidando sua retomada, e a Suzano conseguiu, novamente, reduzir sua alavancagem em dólares.

Leia também

Covid: Brasil recebe primeiro lote de vacinas da Pfizer para crianças

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE