PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Veja quanto a safra do Brasil já encolheu por causa da seca

Estiagem na região Sul do país vai prejudicar produção de soja e da primeira safra de milho no Paraná e colheita do milho no Rio Grande do Sul

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A estiagem que atinge a região Sul do Brasil vai reduzir a colheita de grãos neste ano. Em pleno desenvolvimento, as lavouras de soja e milho do Paraná e do Rio Grande do Sul são as mais prejudicadas até o momento pela falta de chuvas.

Já é dado como certo que o Brasil vai produzir 6,7 milhões de toneladas de grãos a menos do que o estimado em dezembro do ano passado. Desse total, 6,6 milhões são referentes às perdas registradas apenas nas culturas de soja e milho nos dois Estados do Sul do país.

PUBLICIDADE

No Paraná, a maior perda é registrada na primeira safra de milho. A produção de 4,2 milhões de toneladas estimada em dezembro acaba de ser revista para 2,7 milhões de toneladas, um corte de 35,5% em apenas um mês. Na prática, 1,5 milhão de toneladas deixarão de ser colhidas. Para a segunda safra, que ainda será plantada, a previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) permanece exatamente a mesma desde quando os números da safra 2021/22 começaram a ser divulgados, em outubro do ano passado.

No caso da soja, que divide espaço com a primeira safra de milho no Paraná, as perdas são menores em termos percentuais, mas, maiores em termos absolutos. A Conab cortou em 10,9% sua previsão de colheita, reduzindo de 20,7 milhões de toneladas em dezembro para as atuais 18,4 milhões de toneladas.

Já no Rio Grande do Sul, a lavoura de soja, plantada um pouco mais tarde do que no Paraná, ainda não sentiu os efeitos da seca. A expectativa é que sejam colhidas 21,2 milhões de toneladas no ciclo 2021/22, volume quase 1% maior do que o previsto em outubro e 1,2% superior à produção do ano passado.

PUBLICIDADE

Contudo, a produção gaúcha de milho já foi duramente afetada. Algumas estimativas indicam que apenas as áreas cultivadas com o suporte da irrigação é que conseguirão ser colhidas. Até dezembro, a Conab projetava uma produção de 5,9 milhões de toneladas, porém, em seu relatório de janeiro, fez um corte superior a 48%, revendo sua expectativa para pouco mais de 3 milhões de toneladas. Com isso, quase 3 milhões de toneladas de milho deixarão de ser colhidas no Rio Grande do Sul.

Leia também

Roupas, bacon e carros foram principais impulsionadores da inflação dos EUA

Aperto ‘agressivo’ serve como âncora para moedas latinas, diz Credit Agricole

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE