PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Estilo de vida

Mansões em Vancouver: mercado mais quente do Canadá tem alta de 240%

Transações incluíram o preço mais alto já pago por uma casa na cidade, de supostamente C$ 42 milhões (US$ 33 milhões)

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Mesmo os ultra-ricos estão descobrindo que não estão imunes à escassez de moradias no Canadá, e em nenhum lugar isso é mais verdadeiro do que no mercado mais caro do país, Vancouver.

Os imóveis de luxo na cidade quebraram recordes locais no ano passado, com as vendas de mansões com preços acima de C$ 10 milhões (US$ 7,9 milhões) crescendo 240%, mais rápido do que em qualquer outro lugar no Canadá, de acordo com um relatório da Sotheby’s International. Toronto não ficou muito atrás com um crescimento de 238%.

PUBLICIDADE

Poucas mansões no mercado

Essas transações incluíram o preço mais alto já pago por uma casa em Vancouver. A Sotheby’s não disse quanto foi a propriedade, conhecida como Belmont Estate, mas a CTV News citou um preço de C$ 42 milhões.

O setor imobiliário de alto padrão foi impulsionado pelas mesmas forças lideradas pela pandemia que tornaram o mercado imobiliário geral do Canadá um dos mais quentes do mundo: baixas taxas de juros e alto interesse em espaços residenciais. A demanda por moradias de luxo foi impulsionada ainda mais pelo mercado de ações em alta, tornando muitos canadenses ricos ainda mais ricos.

Mas o Canadá não construiu casas suficientes, grandes ou pequenas, nos últimos anos para atender a essa demanda crescente ou ao crescimento populacional. O número de propriedades listadas para venda nacionalmente caiu para um nível recorde. Em Vancouver, cerca de 5.000 casas estavam à venda no final do ano passado, o menor número em dados de 30 anos atrás.

PUBLICIDADE

No segmento de luxo, casas no valor de C$ 10 milhões ou mais permanecem no mercado por menos tempo, semanas em vez de meses, disse Kevin O’Toole, corretor-gerente da Sotheby’s em Vancouver.

Um fator que mantém os estoques baixos é que os compradores de imóveis de luxo, aproveitando as taxas de hipotecas recorde, estão mantendo suas propriedades antigas por mais tempo. Em vez de colocar suas casas à venda em conjunto com a busca por uma nova, esses compradores também estão mantendo as antigas e retardando o processo de rotatividade, disse O’Toole.

“Um proprietário de luxo não quer deixar sua casa de luxo porque não sabe para onde mais iria”, disse O’Toole. “Eles não querem vender seu lugar e não ter uma casa para onde ir.”

PUBLICIDADE

Leia também

Citi deixará braço de varejo do México

Banco Central admite que não cumprirá meta de inflação em 2022

PUBLICIDADE