PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Disparidades entre BCs devem trazer volatilidade cambial

Estrategistas preveem maiores oscilações de preços à medida que os bancos centrais reduzem os estímulos de política monetária

acciones
Por Libby Cherry e Greg Ritchie
12 de Janeiro, 2022 | 12:01 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — À medida que ondas de volatilidade atingem os mercados de títulos e ações, as moedas têm sido uma ilha de relativa calma. Wall Street diz que isso está prestes a mudar com as disparidades que se abrem entre os bancos centrais de todo o mundo.

No Morgan Stanley e no BNP Paribas, os estrategistas estão prevendo maiores oscilações de preços à medida que os bancos centrais reduzem os estímulos, abrindo diferenças no grupo das principais moedas, geralmente mais estáveis.

PUBLICIDADE

Oliver Brennan, do BNP, está prevendo que a volatilidade implícita de um ano entre o euro e o dólar avançará para cerca de 9%, um nível visto pela última vez no auge da pandemia - e antes disso, em 2017, quando o ciclo anterior de alta de juros do Federal Reserve estava em pleno andamento.

É uma mudança radical para operadores acostumados a ver políticas monetárias frouxas que mantêm os custos dos empréstimos baixos - e os mercados, sem emoção.

No entanto, para muitos, as disparidades, incluindo aquelas entre o Fed recentemente hawkish e pares mais dovish, como o Banco Central Europeu, são um sinal inconfundível de que é hora de abandonar as apostas de volatilidade de curto prazo e mudar para estratégias que lucram com altas e baixas dramáticas.

PUBLICIDADE

“Estamos nesse ponto de inflexão e se você não começar a reduzir sua exposição de volatilidade de curto prazo, é muito provável que acabe apagando seus ganhos”, disse Andrés Jaime, estrategista do Morgan Stanley, que entrou no mercado de câmbio em 2006.

Embora já tenha visto divergências nas políticas dos bancos centrais antes, o que seria único desta vez é o “ritmo potencial de aperto do Fed”, disse ele.

BNP Paribas vê volatilidade subindo para níveis vistos durante o último ciclo de altasdfd

O Fed pegou os mercados desprevenidos quando a ata de sua última reunião mostrou a crescente preferência das autoridades por aumentos mais rápidos dos juros para ajudar a domar a inflação, que está no ritmo mais rápido em quatro décadas.

Os traders agora estão precificando mais de três altas de 25 pontos-base este ano, em comparação com apenas uma de 10 pontos-base do BCE, que quase descartou qualquer aumento de juros até pelo menos 2023.

Os bancos centrais da Noruega, Nova Zelândia e Reino Unido já começaram a aumentar as taxas, enquanto o Canadá está no encalço. Isso contrasta com o Banco do Japão e o Banco Nacional Suíço, onde a elevação dos juros deve ser adiada para além deste ano.

Os analistas do Bank of America esperam que a volatilidade do mercado cambial aumente, ao citar análogos históricos de 2008, 2011 e 2018.

PUBLICIDADE

Eles recomendam o posicionamento para maior volatilidade no par euro e dólar canadense, dado que a trajetória das taxas de juros para essas economias está divergindo e as perspectivas para o mercado de energia permanecem incertas.

Para o gerente de portfólio da Unigestão Jeremy Gatto, pares que incluem a libra britânica e a coroa norueguesa podem oferecer apostas de volatilidade atraentes, devido aos seus bancos centrais às vezes imprevisíveis. O Banco da Inglaterra surpreendeu os mercados com um aumento da taxa em dezembro, apesar das incertezas trazidas pela omicron.

“Antes da Covid-19 você podia ser um generalista, eram praticamente todos os bancos centrais na mesma página”, disse Gatto, 38, que começou no setor em 2007. “Agora você não pode simplesmente dizer que vai ficar comprado no dólar, ou comprado ou vendido em volatilidade. Você terá que escolher em qual posição você aplicará essa lógica.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Inflação atinge 7% em dezembro nos EUA, maior aumento desde 1982

Laika, e-commerce para pets, levanta US$ 48 mi liderado por SoftBank

PUBLICIDADE