PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Camil divulga balanço; sócios caminham com oferta da Braskem: Radar SA

A Ebanx, fintech que tem o Advent como acionista, está entre as empresas que podem abrir seu capital nos EUA no começo do ano

Companhias já escolheram os bancos que vão coordenar a oferta subsequente de ações preferenciais da Braskem
Por Taís Fuoco e Vinícius Andrade
07 de Janeiro, 2022 | 02:27 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A próxima semana pode estar fraca em eventos de calendário, mas repleta de perspectivas de novos negócios. Além do balanço da Camil (CMLA3) para o período setembro-novembro, nos próximos dias deve vir a público o calendário da oferta subsequente de ações da Braskem (BRKM5) promovida pelos seus controladores.

PUBLICIDADE

O BNDES também trabalha para vender ações na Ouro Fino e avançar com o processo de capitalização da Eletrobras. A Ebanx, fintech que tem o Advent como acionista, está entre as empresas que podem abrir seu capital nos EUA no começo do ano.

Resultados

Camil divulga balanço do período que corresponde para ela ao 3º trimestre de 2021 (setembro/outubro/novembro) no dia 13 de janeiro, após o fechamento dos mercados. A companhia comenta o desempenho em teleconferência no dia seguinte, 14.

PUBLICIDADE

Quer vender

O BNDESPar contratou o BTG Pactual para buscar investidores interessados na totalidade de ações que o banco detém na Ouro Fino Saúde Animal (OFSA3), segundo informação da própria companhia. O BNDESPar tem 12,26% do capital da Ouro Fino.

Avança

Petrobras (PETR4) e Novonor (ex-Odebrecht) já escolheram os bancos que vão coordenar a oferta subsequente de ações preferenciais da Braskem (BRKM5). O plano é realizar a oferta até o fim deste mês, segundo fontes ouvidas pela Bloomberg na condição de anonimato. A expectativa é que o follow-on movimente cerca de R$ 8,3 bilhões.

Avança II

O BNDES não prevê dificuldades para a aprovação do processo de capitalização da Eletrobras (ELET3) no TCU. O banco acredita que uma assembleia de acionistas possa acontecer em fevereiro e que, entre março e abril, saia a precificação das ações e a oferta em si que vai permitir a diluição da presença do governo na companhia. Essa foi a expectativa apresentada por Leonardo Mandelblatt, do Departamento de estruturação de Empresas do banco, em audiência pública.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

Brasília em Off: Economia vê exagero em temor fiscal do mercado