PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Ômicron: Excesso de mortes na África do Sul é menor do que em surtos anteriores

Indicador teve o primeiro declínio em três semanas no país

Queda no número de excesso de mortes foi simultânea a queda nas mortes confirmadas por Covid-19
Por Antony Sguazzin
05 de Janeiro, 2022 | 04:49 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Na África do Sul, as mortes em excesso, indicador levado em conta na medição do impacto da Covid-19, atingiram um pico durante a onda de infecções impulsionadas pela ômicron que representa apenas uma fração do visto em surtos causados por variantes anteriores.

Até a semana de 26 de dezembro, o número de mortes em excesso, medida que compara a média de mortalidade durante e antes da pandemia, caiu de 3.087 para 3.016, informou o Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul em um relatório na quarta-feira. As mortes oficiais devido à Covid-19 diminuíram de 428 para 425. O declínio do excesso de mortes foi o primeiro em três semanas.

PUBLICIDADE

Em comparação, na semana de 10 de janeiro de 2021, o pico foi de 16.115, quando a variante beta estava se espalhando pelo país e a África do Sul ainda não havia iniciado sua campanha de vacinação. Em julho, o excesso de mortes semanais atingiu um pico de pouco mais de 10.000 durante uma onda de infecções causadas pela variante delta, enquanto o surto inicial, causado pelo vírus identificado pela primeira vez na China, atingiu o pico de 6.674 em julho de 2020.

“O número estimado de mortes em excesso começou a diminuir, consistente com a tendência no número de mortes confirmadas de Covid-19″, disse o conselho. “Esta observação apoia fortemente que uma proporção significativa do excesso de mortalidade atual observada na África do Sul pode ser atribuída à Covid-19.”

A África do Sul, que em 25 de novembro foi o primeiro país a anunciar a descoberta da variante ômicron altamente infecciosa, serviu como um prenúncio de como o último estágio da pandemia pode se desenrolar globalmente. As hospitalizações foram menores do que nas ondas anteriores e os médicos relataram pacientes com sintomas mais leves. A onda de infecções também aumentou mais rapidamente e depois diminuiu mais rapidamente do que os surtos anteriores.

PUBLICIDADE

Embora as mortes oficiais por coronavírus durante o curso da pandemia na África do Sul tenham sido contabilizadas em 91.561, o número de mortes em excesso é de mais de 286.000.

O excesso de mortes parece ter atingido seu pico na província de Gauteng, onde a variante ômicron foi identificada pela primeira vez, bem como em três das outras oito províncias do país.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE