PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Europa quer selo verde para projetos de gás e energia nuclear

Decisão foi adiada em abril após as críticas de que tal adição poderia prejudicar a credibilidade do sistema

Usinas teriam que obter licenças de construção antes do final de 2030 e ter planos de mudar para gases renováveis ou de baixo carbono até o final de 2035
Por Ewa Krukowska
01 de Janeiro, 2022 | 02:53 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A União Europeia está planejando permitir que alguns projetos de gás natural e energia nuclear sejam classificados como investimentos sustentáveis, em uma proposta que gerou críticas imediatas de grupos de defesa do meio ambiente.

A Comissão Europeia quer dar um rótulo verde temporário aos projetos de gás que substituam os de carvão e não emitam mais do que 270 gramas de dióxido de carbono equivalente por quilowatt-hora, de acordo com um projeto de regulamento visto pela Bloomberg News. Essas usinas teriam que obter licenças de construção antes do final de 2030 e ter planos de mudar para gases renováveis ou de baixo carbono até o final de 2035.

PUBLICIDADE

A energia nuclear pode ser classificada como sustentável, desde que as novas usinas com permissão de construção até 2045 atendam a um conjunto de critérios para evitar danos significativos ao meio ambiente e aos recursos hídricos, de acordo com o projeto, enviado na sexta-feira aos governos nacionais da UE para revisão.

“A Comissão considera que existe um papel para o gás natural e o nuclear como meio de facilitar a transição para um futuro predominantemente baseado em fontes renováveis”, disse o braço executivo da UE em um comunicado no sábado.

O desenho do sistema de classificação de investimentos da UE, conhecido como taxonomia, é acompanhado de perto por investidores em todo o mundo e pode atrair bilhões de euros em financiamento privado para ajudar na transição verde. O desafio é garantir que a decisão sobre energia nuclear e a gás receba apoio político, evitando o risco de uma lavagem verde ou exagerando a importância dos cortes de emissões.

PUBLICIDADE

A Europa quer atingir a neutralidade de carbono em meados do século com o Acordo Verde, uma revisão abrangente que visa acelerar os cortes de poluição em todas as áreas, da produção de energia ao transporte.

No entanto, para alguns legisladores, investidores e ativistas, classificar projetos de gás ou nuclear como verdes prejudicaria todo o livro de regras de investimento sustentável.

“Incluir energia nuclear e gás na taxonomia da UE é como rotular um ovo de granja como orgânico”, disse Michael Bloss, um membro alemão do grupo Verde no Parlamento Europeu. “Em vez de canalizar dinheiro para investimentos nas indústrias solar e eólica, modelos de negócios antigos e extremamente caros agora podem ser continuados sob uma falsa aparência.”

A taxonomia visa orientar os investidores para projetos limpos. A decisão sobre se deveria incluir gás e energia nuclear foi adiada em abril após as críticas de que tal adição poderia prejudicar a credibilidade do sistema.

Dar um rótulo verde temporário a certos projetos de gás projetos de gás poderia facilitar os investimentos na limpeza de sistemas de aquecimento à base de carvão em países como a Polônia. Esse é um argumento frequentemente levantado por políticos do Leste Europeu.

A inclusão de alguns projetos de energia nuclear ajudaria a atrair financiamento privado em nações da França à República Tcheca, que planejam contar com a energia atômica em sua transição para emissões líquidas zero.

PUBLICIDADE

A Comissão tenciona também garantir um elevado grau de transparência aos investidores no que diz respeito ao gás e à energia nuclear, introduzindo requisitos de divulgação específicos para empresas não financeiras e financeiras.

Os Estados membros e a Plataforma de Finanças Sustentáveis têm até 12 de janeiro para fornecer feedback. As Comissões irão então adotar o ato delegado ainda este mês. Na próxima etapa, será enviado aos países da UE e ao Parlamento Europeu para exame.

Leia também

PUBLICIDADE

Airbus ou Boing, quem vendeu mais em 2021?

Quais foram os melhores vinhos de 2021?

PUBLICIDADE