PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Viagens

Companhias aéreas dos EUA cancelam mais de mil voos na véspera do Ano Novo

Casos de ômicron, que mantêm tripulantes das companhias aéreas em casa, e clima no oeste do país ameaçam viagens

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os cancelamentos de companhias aéreas já estão se acumulando nos Estados Unidos, com 1.125 voos suspensos por conta dos casos crescentes de coronavírus no país, que mantém funcionários das empresas em casa. Tempestades de inverno ameaçaram atrapalhar ainda mais as viagens no fim de semana de Ano Novo.

Até o início desta manhã, a JetBlue Airways havia cancelado 175 voos, representando 17% da programação. A Allegiant havia cancelado 96 voos, ou 19% do serviço, enquanto a United Airlines eliminou 199 voos, representando 9% do programado.

PUBLICIDADE

As interrupções ocorrem depois que milhares de voos foram cancelados durante o fim de semana do feriado de Natal e no início desta semana, devido às tempestades de inverno combinadas com a falta de pessoal causada pela disseminação de casos da variante ômicron.

“Como muitas empresas e organizações, vimos um aumento no número de casos da ômicron”, disse JetBlue por e-mail.

Ver mais: Órgão regulador dos EUA pede que americanos evitem cruzeiros

PUBLICIDADE

Embora a orientação federal de reduzir o período de isolamento para muitas pessoas com teste positivo de 10 para cinco dias deva ajudar a equipe, “esperamos que o número de casos da Covid no Nordeste - onde a maioria dos membros da nossa tripulação está baseada - continue a aumentar pelas próximas duas semanas “, disse JetBlue.

Cenário para viagens internacionais

Junto com questões de pessoal, as restrições de fronteira ligadas ao aumento de casos também prejudicaram as perspectivas globais para viagens. A Cathay Pacific Airways reduziu quase pela metade o número de voos para Hong Kong vindos de fora da China no próximo mês. A British Airways planeja descartar voos para o território até março.

O impacto parece que vai persistir até o 2022. As companhias aéreas de todo o mundo eliminaram cerca de 8,4% dos voos planejados para janeiro nas últimas quatro semanas, com base em dados da BloombergNEF, que rastreia a demanda por combustível de aviação.

PUBLICIDADE

A queda é ainda mais severa na Europa, com 15% dos voos cancelados em janeiro, depois que alguns países impuseram novas restrições às viagens internacionais para tentar conter a disseminação da ômicron. A França atenuou uma preocupação para os cidadãos do Reino Unido, dizendo que eles teriam permissão para viajar para outros destinos de carro, trem ou avião, embora a maioria dos britânicos não consiga ficar na França sem um motivo convincente para as autoridades.

Clima dos EUA

Até agora, os cancelamentos representaram 3,9% dos voos planejados para o próximo mês nos EUA, de acordo com a BloomergNEF.

Neve forte é esperada em grande parte do oeste na quinta-feira, de acordo com o Serviço Meteorológico Nacional, enquanto neve e uma mistura de gelo “devem formar uma faixa de condições perigosas de viagem no dia de Ano Novo, desde a faixa frontal das Montanhas Rochosas até o Meio-Oeste e Grandes Lagos”, de acordo com a FlightAware. Mais de 650 voos já foram cancelados para sexta-feira e cerca de 400 já estão agendados para sábado.

PUBLICIDADE

As companhias aéreas provavelmente não verão muito impacto nos lucros, disse a analista da Cowen, Helane Becker. A maioria dos voos cancelados será remarcada e as operadoras podem usar aviões maiores para consolidar o serviço, disse ela.

“As companhias aéreas estão fazendo o possível para acomodar os passageiros”, disse Becker por e-mail. “Mas como afeta os ganhos, não achamos que será significativo para os resultados do quarto trimestre.”

--Com a colaboração de Anthony Palazzo

PUBLICIDADE