PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Viagens

Airbus monitora situação da Itapemirim após suspensão de voos

Fabricante de aviões tem contrato de manutenção com a companhia capixaba, cuja frota é composta por sete modelos da Airbus

Airbus tem contrato de manutenção para os aviões da Itapemirim, que suspendeu operações no último dia 17
25 de Dezembro, 2021 | 03:07 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A Airbus, uma das maiores fabricantes de aviões do mundo, monitora a situação da ITA (Itapemirim Transportes Aéreos), que suspendeu suas operações no último dia 17, informou a assessoria da companhia à Bloomberg Línea. A novata da aviação comercial brasileira, que fez seu voo inaugural no dia 29 de junho, tem uma frota formada por sete modelos da Airbus, que foram alugados por empresas de leasing. Além disso, a Airbus tem um contrato de manutenção de peças com a empresa capixaba.

Por enquanto, a Itapemirim garante que não há motivo para preocupação, alegando que sua suspensão é temporária. A companhia fala em voltar a voar em fevereiro do no que vem, embora a Anac (Agência Nacional da Aviação Civil) tenha cassado seu certificado de operador aéreo. Em resposta ao Procon-SP, órgão de defesa do consumidor, a ITA disse que a projeção para a retomada das atividades é 17 de fevereiro de 2022.

Veja mais: Procon-SP notifica Gol por sumiço de cadela no aeroporto de Guarulhos

A suspensão dos voos afetou 45.887 passageiros, que tinham bilhetes para voar até o próximo dia 31 de dezembro. A ITA assegura que nos dois primeiros dias úteis após a suspensão temporária de suas operações já foram processados R$ 7,8 milhões em pedidos de reembolso junto às operadoras de cartão de crédito. “Os valores serão estornados aos clientes diretamente na fatura do cartão de crédito em um prazo de até 30 dias”, informou a companhia, no último dia 21.

PUBLICIDADE

A frota da ITA é composta por seis aeronaves do modelo Airbus A320 e um Airbus A319. A companhia já negou que tenha iniciado conversas com as empresas de leasing ALAFCO, Carlyle Aviation Partners e Deucalion Aviation para devolver as aeronaves. O que sustenta essa posição da ITA é que, segundo o SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), não houve ainda demissões. Segundo o presidente do SNA, Ondino Dutra, a ITA tem 440 tripulantes, sendo 138 pilotos e 302 comissários.

Dados divulgados pela Anac mostram que, em novembro, a ITA já era a quarta maior empresa aérea do Brasil, com 1,4% do mercado. A Latam foi, pelo quarto mês seguido, a empresa aérea líder do mercado aéreo brasileiro. Nos dados que a agência divulgou no último dia 23 para o mês de novembro, a Latam alcançou 37,6% de participação de mercado. A Azul aparece em segundo lugar com 31%, enquanto a Gol está em terceiro com 29,6%.

Pertencente ao grupo Itapemirim, que está em recuperação judicial, a ITA estava com dificuldades de pagar salários e benefícios de seus funcionários, além de fornecedores. A companhia aérea não informou ainda como vai superar as dificuldades financeiras. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, no último dia 22, o dono da ITA, Sidnei Piva, disse que negocia com investidores aportes na empresa. Para retomar as operações, a Anac terá de autorizar e conceder um novo certificado de operador aéreo.

Leia também

Caos nas viagens de Natal se aprofunda e companhias cancelam mais de 800 voos nos EUA

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.