PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Viagens

Procon-SP notifica Gol por sumiço de cadela no aeroporto de Guarulhos

Órgão de defesa do consumidor pede esclarecimentos sobre procedimentos para o transporte de animais após desaparecimento de Pandora

Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O Procon de São Paulo, órgão de defesa do consumidor, divulgou, nesta quinta-feira (23), que notificou a Gol Linhas Aéreas pedindo explicações sobre o caso da cachorra que desapareceu no dia 14 ao passar por uma conexão no aeroporto de Guarulhos. A empresa tem até o próximo dia 28 para prestar os esclarecimentos.

No último dia 15, a cadela Pandora, de um cliente proveniente de Recife (PE), que faria conexão em Guarulhos (SP) com destino a Navegantes (SC), escapou da caixa de transporte durante o processo de conexão no maior aeroporto do país. O tutor de Pandora, o garçom Reinaldo Gomes, ainda não desistiu de encontrar sua mascote.

PUBLICIDADE

Veja mais: Com sumiço e morte de bicho em voo, setor aéreo revê transporte de pet

“Além de esclarecer sobre esse caso específico, a Gol deverá detalhar os procedimentos para o transporte de animais até que ele chegue ao seu destino e explicar quais providências toma quando acontece alguma irregularidade. O Procon-SP também quer que a Gol apresente todos os informes e orientações oferecidos aos consumidores no ato da contratação dos serviços, além de detalhar quais os custos envolvidos”, diz nota do Procon-SP.

O transporte de animais no porão de aviões se tornou, neste ano, um novo motivo de preocupação para o setor aéreo. O Brasil registrou, neste segundo semestre, pelo menos dois casos de morte de animais de estimação durante um voo. Os dois episódios, envolvendo a companhia aérea Latam, levaram a empresa a suspender a venda desse serviço por dois meses, só retomada no último dia 15 de dezembro, quando passou a adotar uma nova política para embarque de bichos no porão das aeronaves.

PUBLICIDADE

Quando o caso de Pandora veio a público, a Gol divulgou nota dizendo que, pelas câmeras de segurança, foi possível apurar que a cadela fugiu pelo pátio, invadiu o terminal de cargas do aeroporto, seguiu sentido a rodovia Hélio Smidt, mas depois não foi mais vista. O tutor disse que pagou R$ 669 pela caixa de transporte (kennel), além de R$ 850 pelo transporte do animal. “A Gol está pagando meu hotel e o táxi que estou usando para verificar as pistas sobre o paradeiro de Pandora”, conta Gomes.

A Gol também contratou a empresa Alerta Pet, que presta serviços de divulgação de casos de cães perdidos, com afixação de cartazes ao longo da área em que Pandora poderia ter escapado, bem como nas redes sociais, em páginas de busca de pets e por anúncios feitos por geolocalização para Guarulhos e região. Um cão farejador foi usado para tentar localizar a cadela, sem sucesso.

Em relação à notificação do Procon, a Gol disse que que responderá ao órgão, dentro do prazo estipulado, todas as informações solicitadas sobre as ações que tem tomado neste episódio. “A companhia lamenta muito a dor causada ao seu Cliente e, desde o dia 15/12, não tem medido esforços para auxiliá-lo nas buscas. O cliente e sua mãe continuam em São Paulo acomodados em hotel parceiro da companhia e recebendo todo o auxílio para locomoção”. informou à Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

(Atualiza às 11h45 com nota da Gol sobre a notificação)

Leia também

Ômicron eleva risco de contágio em avião? Veja perguntas e respostas

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE