PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Pílula da Pfizer para Covid obtém autorização de uso emergencial nos EUA

Chamada Paxlovid, a droga é a primeira terapia domiciliar para a Covid-19 a obter liberação da Food and Drug Administration

Comprimidos da Pfizer contra a Covid-19
Por Robert Langreth
22 de Dezembro, 2021 | 08:47 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A pílula para Covid-19 da Pfizer foi liberada para uso emergencial nos Estados Unidos, oferecendo uma nova opção de tratamento para pacientes em risco durante mais um momento crítico da pandemia.

A droga, chamada Paxlovid, é a primeira terapia domiciliar para a Covid-19 a obter liberação da Food and Drug Administration. Espera-se que ele se torne uma arma potente no combate ao vírus assim que a produção aumentar, dando às pessoas com alto risco de complicações graves da doença uma maneira de evitar acabar no hospital.

“Esta autorização fornece uma nova ferramenta para combater a Covid-19 em um momento crucial da pandemia, à medida que novas variantes surgem”, disse Patrizia Cavazzoni, diretora do Centro para Avaliação e Pesquisa de Medicamentos dos EUA, em um comunicado na quarta-feira.

A disseminação da variante altamente contagiosa ômicron gerou preocupação de que o sistema de saúde dos Estados Unidos, já sobrecarregado pela batalha contra uma onda de meses de duração da doença causada pela cepa delta, poderia ser ainda mais tributado por um novo surto de doenças. Embora a variante pareça causar doenças menos graves entre os vacinados, o grande número de pessoas que não tomaram a vacina pode levar a resultados piores.

PUBLICIDADE

O presidente americano Joe Biden disse em comunicado após a aprovação que a pílula da Pfizer é uma “nova opção de tratamento promissora” que reduzirá as hospitalizações e as mortes. Ele disse que o governo federal usará os poderes do tempo de guerra, se necessário, para ajudar a Pfizer a aumentar a produção da pílula, que o coordenador de resposta da Covid de Biden disse que leva de seis a oito meses para fazer. “Mesmo em face da variante ômicron, a América está mais preparada do que nunca para combater esse vírus”, disse Biden.

A Casa Branca indicou que vê o medicamento da Pfizer e outra pílula fabricada pela gigante farmacêutica Merck & Co. como ferramentas cruciais para aliviar a crise dos hospitais. Os reguladores também devem autorizar a pílula da Merck em breve, de acordo com pessoas familiarizadas com os planos. As ações da Pfizer subiram 61% este ano.

Num grande ensaio clínico, o Paxlovid demonstrou reduzir as hospitalizações em 88% quando administrado a doentes não vacinados de alto risco no prazo de cinco dias após o início dos sintomas. Os eventos adversos associados foram semelhantes entre a droga e o placebo em ensaios clínicos, disse a Pfizer.

Suprimentos Limitados

PUBLICIDADE

Os suprimentos serão inicialmente bastante limitados antes de aumentarem no próximo ano. Em novembro, o governo dos Estados Unidos disse que havia pedido 10 milhões de unidades da pílula Pfizer por um preço de quase US$ 5,3 bilhões - cerca de US$ 530 por tratamento. Espera-se ter apenas 65.000 disponíveis imediatamente, com 250.000 cursos previstos até o final de janeiro, disseram autoridades americanas.

“A Pfizer está pronta para começar a entrega nos Estados Unidos imediatamente”, disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em um comunicado. A produção da pílula deve aumentar drasticamente no próximo ano, quando a empresa espera fazer 120 milhões de pílulas.

Até agora, os anticorpos monoclonais infundidos têm sido o principal tratamento para pacientes de alto risco com Covid-19 fora do hospital. Mas eles são complicados de administrar e têm como alvo a proteína spike de mutação rápida, que mostrou mudanças significativas na variante ômicron. Dois dos três principais tratamentos de anticorpos usados nos Estados Unidos, da Eli Lilly & Co. e Regeneron Pharmaceuticals Inc., podem não funcionar bem contra a ômicron.

Em contraste, a pílula da Pfizer tem como alvo uma proteína dentro do vírus que acredita-se mudar com pouca frequência. Os testes de laboratório da Pfizer indicam que o Paxlovid ainda funcionará contra a ômicron.

Em um ensaio clínico da droga envolvendo mais de 2.000 pacientes, 0,8% dos que receberam Paxlovid foram hospitalizados ou morreram durante 28 dias de acompanhamento, em comparação com 6% dos pacientes que receberam um placebo, disse o FDA em seu comunicado.

Os efeitos colaterais do Paxlovid podem incluir paladar prejudicado, diarréia, pressão alta e dores musculares, disse a FDA.

PUBLICIDADE

A pílula foi autorizada para o tratamento de Covid-19 sintomático em pacientes com 12 anos ou mais com alto risco de desenvolver doença grave. É tomado duas vezes por dia durante cinco dias e é usado em conjunto com um segundo medicamento denominado ritonavir. Entre os dois medicamentos, os pacientes tomam 3 comprimidos duas vezes ao dia, ou 30 comprimidos no total durante cinco dias.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também