PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Ômicron eleva risco de contágio em avião? Veja perguntas e respostas

Nova cepa é altamente transmissível e se tornou dominante em questão de semanas, sendo responsável 70% dos novos casos nos EUA

Passageiros devem evitar o contato direto, além de superfícies que são tocadas com frequência
Por Angus Whitley
22 de Dezembro, 2021 | 12:38 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Passageiros de avião têm duas ou até três vezes mais probabilidade de pegar Covid-19 durante um voo desde o surgimento da variante ômicron, de acordo com o principal consultor médico das companhias aéreas do mundo.

A nova cepa é altamente transmissível e se tornou dominante em questão de semanas, sendo responsável por mais de 70% de todos os novos casos apenas nos EUA. Enquanto os filtros nos jatos mais modernos, que hoje têm qualidade hospitalar, tornam o risco de infecção muito menor em aviões do que em lugares lotados em solo - caso dos shoppings -, a ômicron está se espalhando rapidamente à medida que mais viajantes voam nas férias de fim de ano e para reuniões de família.

PUBLICIDADE

Veja mais: Ômicron apresenta risco 80% menor de hospitalização, diz novo estudo

A classe executiva pode ser mais segura do que as cabines econômicas mais densamente lotadas, disse David Powell, médico e consultor médico da Associação Internacional de Transporte Aéreo, que representa quase 300 companhias aéreas em todo o mundo. Como antes, os passageiros devem evitar o contato direto, além de superfícies que são tocadas com frequência. Pessoas sentadas perto umas das outras devem tentar não tirar as máscaras ao mesmo tempo durante as refeições, disse ele.

Powell, ex-diretor médico da Air New Zealand Ltd., falou com a Bloomberg News na terça-feira sobre voar durante a pandemia. Aqui está uma transcrição editada.

PUBLICIDADE

# 1 - Quais são os riscos de infecção durante um voo?

Qualquer que fosse o risco visto com a variante delta, teríamos que assumir que o risco agora seria duas a três vezes maior com ômicron, exatamente como vimos acontecer em outros ambientes. Seja qual for esse risco - não sabemos qual é - no avião, deve ser aumentado em uma quantidade semelhante.

# 2 - O que os passageiros devem fazer para minimizar os riscos?

Evite superfícies de contato comum, lave as mãos sempre que possível, use máscaras, mantenha distanciamento, além de procedimentos de embarque controlado. Tente evitar o contato direto com outros passageiros, evite tirar a máscara durante o voo para refeições e bebidas, exceto quando realmente seja necessário. O conselho é o mesmo, só que o risco relativo provavelmente aumentou, assim como o risco de ir ao supermercado ou pegar um ônibus aumentou com a ômicron.

# 3 - E as máscaras na hora das refeições?

Para um voo de duas horas, é muito fácil dizer, ‘apenas mantenha sua máscara o tempo todo’. Mas se for um voo de 10 horas, torna-se irracional pedir às pessoas que não comam e bebam. O que a maioria das companhias aéreas tem feito é encorajar, mas não insistir, que os clientes tentem diminuir um pouco os períodos de retirada da máscara.

Em termos simples, duas pessoas mascaradas têm transmissão mínima de uma para a outra. Se um de vocês remover a máscara, essa pessoa corre um risco maior de transmitir e um risco ligeiramente maior de ser contaminada. Mas se vocês dois removerem, obviamente, não haverá nenhuma barreira e vocês poderão transmitir livremente o vírus de um para o outro.

# 4 - Seria mais seguro não voar?

A maior proteção que você pode se dar é ser vacinado, incluindo a dose de reforço. A proteção que você dá a si mesmo ao usar uma máscara extra ou um tipo diferente de máscara, ou mesmo não voar, francamente, é provavelmente menor do que o benefício que você obteria apenas por estar totalmente imunizado.

Veja mais: Vacina da AstraZeneca requer reforço para elevar proteção, diz estudo

PUBLICIDADE

Começa a aparecer uma espécie de regra prática: a ômicron reduz em uma dose o benefício da vacina. Portanto, duas doses contra a ômicron significam proteção semelhante a uma dose contra a variante. Isso não está estabelecido na ciência exata, mas parece correlacionar-se aproximadamente com o que está surgindo nos estudos.

# 5 - É seguro para um passageiro saudável ficar sentado ao lado de um contaminado com ômicron?

É um espaço fechado, mas é uma caixa com vazamento, e a pressurizamos colocando um grande fluxo de ar em uma extremidade dela e, em seguida, tendo uma válvula de escape na outra extremidade. Então você está sentado em um ambiente de fluxo de ar muito alto. É um espaço fechado, mas isso não significa “risco” para mim. Um pub irlandês com um ventilador no canto grita “risco” para mim, ou um ginásio com um monte de gente gritando, grunhindo e suando. Mas qualquer voo que você faça envolve aeroportos, que são um pouco menos controlados.

Portanto, existe risco aí. O que você pode fazer? Vacinação, teste, uso de máscara, distanciamento. As máscaras cirúrgicas são melhores do que as máscaras de pano? Sim, provavelmente. Em média, talvez 10-20%.

PUBLICIDADE

A maioria dos casos documentados de propagação durante voos data de março de 2020 - antes de fazermos os testes, antes de termos máscaras, antes de organizarmos os procedimentos de embarque, antes de haver um alto grau de consciência sobre não voar se você não estivesse bem.

#6 - Que tal deixar os assentos do meio vazios?

É incrivelmente atraente, intuitivamente. Isso dá uma distância física maior entre você e a próxima pessoa. Mas não vimos que isso realmente traga muitos benefícios. Mas se houver algum fluxo de ar cruzado do corredor para a janela, ou da janela para o corredor, e você remover a pessoa do assento do meio, você ajudou a pessoa que estaria no assento do meio. Você provavelmente não ajudou muito a pessoa no assento ao lado, porque é provável que ela deslize sem a obstrução da primeira pessoa.

#7 - A tripulação de cabine deve usar roupas de proteção completas, como macacões e proteções faciais?

Provavelmente não. Não tem havido muita transmissão de passageiro para tripulação em toda a Covid. Tem havido alguns, mas são números muito, muito pequenos. Tende a ser passageiro para passageiro ou tripulação para tripulação. E, novamente, um número muito pequeno de tripulantes para passageiros. Sejamos rigorosos com as medidas já implementadas e esperemos até que tenhamos um pouco mais de dados sobre a ômicron.

Veja mais: EUA planejam 4 milhões de doses de tratamento para Covid-19

PUBLICIDADE
#8 - Quais são os riscos de infecção no aeroporto?

Os requisitos para fluxos de ar a bordo são muito mais rigorosos do que para edifícios de aeroportos em geral. As proteções para a cabine da companhia aérea são: todos ficam sentados, voltados para a mesma direção, existem essas barreiras físicas que estão no caminho, você tem um alto grau de fluxo de ar que é em geral do teto ao chão, deriva mínima ao longo do avião, um pouco mais de deriva no avião. Aproximadamente 50% do fluxo de ar é fresco de fora, 50% é recirculado, mas quando é recirculado, é filtrado por HEPA (sigla para Hight Efficiency Particulate Air, ou partículas de ar de alta eficiência), por isso está limpo.

A maioria deles não está presente na fase de aeroporto. Você tem muito mais movimento aleatório, muito mais potencial para contato face a face, você tem fluxos de ar geralmente reduzidos. As taxas de ventilação do aeroporto são um décimo, talvez, do que estão no avião.

#9 - E as crianças no voo? Como as famílias devem agir?

O risco de doenças graves para as próprias crianças pequenas ao viajar é baixo, simplesmente porque o risco de Covid grave é muito baixo para as crianças. É uma das perguntas não respondidas com a ômicron. O risco não é tanto para eles. O risco é que eles possam estar levemente infectados, sem saber, e potencialmente espalhar enquanto estão viajando. E isso é um risco. É difícil fazer com que eles mantenham uma máscara. Quanto menores eles forem, mais difícil será.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE