Mercados

Autoridades europeias pedem atenção com aumento de preços na região

Nova meta do Banco Central Europeu, de 2%, equivale a índices registrados antes da crise financeira, entre 2000 e 2007

Autoridades acreditam ser fase transitória
Por William Horobin e Carolynn Look
17 de Dezembro, 2021 | 01:47 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Autoridades de toda a zona do euro pediram vigilância sobre a inflação na sexta-feira (17), depois que as previsões atualizadas do Banco Central Europeu mostraram uma pressão de preços próxima à meta da instituição nos próximos anos.

O governador do Banco da França, François Villeroy de Galhau, disse que a diferença entre a nova previsão de inflação de 1,8% em 2023 e 2024 e a meta de 2% do BCE está dentro da “margem de incerteza”. Um relatório do Bundesbank constatou que a inflação da Alemanha ficará acima dos 2% até 2024, e seu presidente Jens Weidmann pediu vigilância, pois vê “riscos de aumento” em todo o bloco.

“Não devemos dar importância exagerada a uma margem de 0,2 ponto percentual”, disse Villeroy na rádio BFM Business. “Haverá um aperto na política monetária dependendo da situação real”.

O alinhamento mais próximo de uma postura hawkish marca uma mudança no núcleo do banco central desde antes da reunião de quinta-feira (16), quando os legisladores enfatizaram que a inflação seria transitória.

PUBLICIDADE
Atualmente, estimativa está em 3,2% para 2022dfd

As autoridades concluíram, durante a atualização da política, que a melhor perspectiva era forte o suficiente para permitir o encerramento do estímulo econômico em março. As autoridades optaram por impulsionar brevemente a compra normal de títulos para evitar o que a presidente Christine Lagarde chamou de uma “transição possivelmente brutal”.

Alguns governadores discordaram da decisão de estender o período de reinvestimento de seu programa emergencial de compra de títulos; no entanto, alegando que a política não estava adequada ao objetivo de encerrar as medidas de combate à crise, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Diversas autoridades duvidaram da probabilidade de a inflação cair até atingir exatamente 1,8% e ficar em linha com as projeções do Banco Central Europeu, segundo as fontes.

O membro do Conselho de Governadores da Estônia, Madis Muller, ecoou o sentimento em comentários públicos na sexta-feira, dizendo que o BCE está preparado para a possibilidade de apertar a economia mais rápido, já que não está mais preocupado com “aumentos perigosamente baixos nos preços no longo prazo”. Sua contraparte da Lituânia, Gediminas Simkus, também afirmou que os riscos de inflação eram rumo ao aumento.

Mesmo assim, o governador da Finlândia Olli Rehn mostrou tom mais cauteloso quanto às perspectivas dos preços que alguns de seus colegas.

PUBLICIDADE

“Há uma incerteza considerável sobre a trajetória da inflação”, disse. “Fatores que têm influenciado a inflação não levarão a um aumento da inflação no longo prazo, a menos que sejam acompanhados de efeitos secundários”.

Enquanto isso, Villeroy vê o início de uma nova era.

“De certa forma, há um novo regime de inflação em torno da meta de 2% que se parece mais com o que tínhamos antes da crise financeira, nos anos de 2000 a 2007″, disse.

--Com assistência de Ott Tammik, Jana Randow, Alexander Weber, Milda Seputyte e Leo Laikola.

Veja em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Bancos centrais apostam que economias toleram a ômicron, mas não a inflação

Banco central do Japão contraria pares e estende auxílio da pandemia

PUBLICIDADE