PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

China enfatiza estabilidade econômica em planos para 2022

Partido Comunista Chinês disse que manterá a política monetária flexível e apropriada

Pequim está começando a mudar seu foco
Por Bloomberg News
10 de Dezembro, 2021 | 10:31 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A China enfatizou que seu objetivo será manter a economia crescendo de maneira estável no próximo ano, uma vez que busca neutralizar os efeitos de uma queda no mercado imobiliário e de um crescimento mais lento.

PUBLICIDADE

A Conferência Anual de Trabalho Econômico Central, do Partido Comunista, prometeu garantir que o mercado imobiliário atenda melhor à demanda “razoável” das famílias, de acordo com uma reportagem da televisão estatal nesta sexta-feira (10). Também disse que manterá a política monetária flexível e apropriada e garantirá que a política fiscal seja eficaz, direcionada e sustentável.

Liderada pelo Comitê Permanente do Politburo, os principais tomadores de decisão do partido, a conferência econômica é uma precursora da reunião parlamentar do próximo ano, onde metas detalhadas são divulgadas. Os analistas estão buscando atentamente em busca de indícios de mais estímulos monetários e fiscais e se as regulamentações sobre a dívida e o mercado imobiliário serão afrouxadas para ajudar a apoiar uma economia em desaceleração.

PUBLICIDADE

Outros destaques da conferência, segundo a emissora estatal:

  • Autoridade se comprometeram a impulsionar os investimentos em infraestrutura
  • China vai melhorar a regulamentação efetiva do capital
  • Apoiará o desenvolvimento do setor privado
  • Reitera que as casas são para morar, não para especular
  • A prosperidade comum, a ser alcançada de forma estável, é um processo de longo prazo

Depois de concentrar a política na redução dos riscos financeiros e na redução da dívida da economia, durante a maior parte deste ano, Pequim está começando a mudar seu foco para apoiar o crescimento. Os líderes de elite do Politburo sinalizaram, no início deste mês, uma inclinação conciliadora nas políticas imobiliárias, enquanto o banco central também aumentou as expectativas de mais flexibilização monetária com sua decisão de cortar a taxa de depósito compulsório para os bancos.

A economia desacelerou nos últimos meses devido à piora no mercado imobiliário, ao fraco crescimento do consumo e aos repetidos surtos de Covid-19, que prejudicaram as empresas e a confiança dos consumidores. Os economistas projetam que o crescimento desacelerará para 3,1% no trimestre atual, uma forte desaceleração de 7,9% no período abril-junho e de 4,9% no último trimestre.

Uma meta oficial para o crescimento do produto interno bruto no próximo ano só será revelada na reunião anual do parlamento em março de 2022. Os economistas esperam que as autoridades façam mais para garantir que o crescimento chegue a cerca de 5%, o que ajudaria a China a atingir sua meta de dobrar o tamanho da a economia em 2035.

--Com a colaboração de Fran Wang e Lin Zhu.

Veja mais em Bloomberg.com