PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Pfizer e Moderna têm melhor resposta como terceira dose, mostra estudo

Estudo conduzido no Reino Unido mostra que seis de sete vacinas criam resposta imunológica alta no reforço da injeção

Estudo descobriu que todas as sete injeções eram seguras para uso como terceira dose
Por Suzi Ring e Irina Anghel
03 de Dezembro, 2021 | 10:21 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Um estudo no Reino Unido que testou sete vacinas da Covid-19 diferentes como doses de reforço revelou que a maioria delas teve sucesso em aumentar os anticorpos dos pacientes, com as injeções da Moderna e da Pfizer/BioNTech com o melhor desempenho.

Os resultados, publicados na quinta-feira (2), testaram as vacinas em mais de 2.800 voluntários com 30 anos ou mais que já haviam recebido duas doses de AstraZeneca ou Pfizer. Todas as sete vacinas aumentaram a imunidade após a vacina da AstraZeneca, em comparação com um placebo, enquanto seis aumentaram os níveis de anticorpos após a Pfizer, descobriu o estudo.

Ainda assim, houve grandes variações entre os anticorpos e as respostas imunes celulares das diferentes vacinas, com os maiores aumentos observados nas vacinas de RNA mensageiro da Pfizer e da Moderna. Os níveis de anticorpos foram medidos quatro semanas após a administração do reforço.

Veja mais: Petróleo dispara após reunião da cúpula da OPEP+

PUBLICIDADE

Não está claro quantas doses de vacinas serão necessárias para fornecer a proteção mais duradoura, ou se as vacinas anuais da Covid serão necessárias, mas o nível de anticorpos criados por diferentes vacinas diminui após alguns meses. Com a disseminação da nova variante ômicron, os países estão procurando proteger as populações o mais rápido possível.

A vacina Valneva, que teve um bom desempenho nos testes, mas ainda não foi autorizada para uso, foi a única injeção que não aumentou os níveis de anticorpos após duas doses de Pfizer, em comparação com um placebo. A vacina só foi testada em cerca de 100 pessoas. O estudo descobriu que todas as sete injeções eram seguras para uso como terceira dose.

Outras vacinas como dose de reforço

As outras vacinas testadas foram da Johnson & Johnson, CureVac e Novavax. As injeções foram administradas 10 a 12 semanas após uma segunda dose das vacinas Astra ou Pfizer.

Os primeiros resultados do estudo foram usados para informar o programa de reforço inicial do Reino Unido em setembro, que se concentrou em pessoas mais velhas e contou com as injeções da Pfizer e Moderna como terceira dose. O país expandiu o lançamento de reforços para todos os adultos nesta semana à luz da nova variante ômicron e reduziu o tempo de seis meses após uma segunda dose para três.

PUBLICIDADE

“Esses dados são diretamente relevantes para a tomada de decisão nesta semana”, disse Saul Faust, professor de imunologia pediátrica e doenças infecciosas, e principal pesquisador do estudo, em uma coletiva de imprensa. Se um “país ou região do mundo tem apenas uma das vacinas que mostramos, então não há problema em usar como reforço e é seguro fazê-lo. Não é tudo sobre mRNA. "

Veja mais: Minério reduz avanço na semana com restrições a usinas na China

A maioria das vacinas também produziu boas respostas de células T, outro braço da defesa imunológica de uma pessoa, embora o efeito Petróleo dispara após reunião da cúpula da OPEP+de Valneva como reforço tenha sido menos forte.

Três das vacinas ainda não foram autorizadas no Reino Unido ou na União Europeia. A CureVac abandonou a vacina de primeira geração em outubro, após resultados decepcionantes nos testes. Espera-se que a Novavax receba liberação na Europa nas próximas semanas, enquanto a Valneva deve receber luz verde do Reino Unido e da UE no início do próximo ano.

Leia também