PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Membros do BTS embolsam US$ 8,4 milhões com vendas de ações da Hybe

Jin, J-Hope e RM venderam cerca de 32 mil papéis da gravadora do grupo sul-coreano entre 13 de outubro e 9 de novembro

A Hybe registrou um lucro recorde no terceiro trimestre, com as vendas de álbuns subindo de 900 mil para 4,85 milhões de unidades
Por Heejin Kim
02 de Dezembro, 2021 | 08:56 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Três dos sete membros do grupo de K-pop BTS venderam ações da gravadora Hybe para embolsar US$ 8,4 milhões antes dos shows esgotados em Los Angeles e da vitória como artistas do ano no American Music Awards.

Jin, J-Hope e RM venderam um total de 31.986 ações da Hybe, anteriormente conhecida como Big Hit, entre 13 de outubro e 9 de novembro, de acordo com documentos regulatórios. As ações da empresa sediada em Seul atingiram um recorde em 16 de novembro, mais do que o dobro da oferta pública inicial em outubro de 2020.

Antes do IPO, Bang Si-Hyuk, o fundador da Hybe, deu um total de 478.695 ações, ou uma participação de 1,41% na empresa, para o grupo, que dividiu a fatia igualmente entre os sete membros. As ações agora valem cerca de US$ 165 milhões.

Jin, cujo nome é Kim Seok-jin, vendeu 16.000 ações no valor de US$ 4,1 milhões, enquanto J-Hope, Jung Ho-seok, vendeu 5.601 ações por US$ 1,57 milhão. RM, o líder do grupo, cujo nome é Kim Nam-joon, vendeu 10.385 ações, embolsando US$ 2,75 milhões.

PUBLICIDADE

Bang Si-Hyuk, o guru do K-pop

A agência registrou um lucro recorde no terceiro trimestre, com as vendas de álbuns subindo de 900 mil para 4,85 milhões de unidades no ano anterior, de acordo com Hakyung Park, analista da Korea Investment & Securities. Os shows do BTS na América do Norte, que se esgotaram em minutos, e as vendas de conteúdo e mercadorias devem impulsionar os lucros do quarto trimestre, disse Park.

Antes do IPO, Bang Si-Hyuk, o fundador da Hybe, deu um total de 478.695 ações, ou uma participação de 1,41% na empresa, para o grupodfd

O grupo está procurando colher o máximo de lucros possível antes que um recrutamento militar obrigatório de dois anos comece. As Armys, a enorme base de fãs do BTS, recentemente conseguiram que a Coreia do Sul revisse a lei de serviço militar para permitir isenções, incluindo uma permissão para o membro mais velho, Jin, adiar o serviço militar até o final de 2022.

Um porta-voz do ministério da defesa da Coreia do Sul disse no mês passado que isentar os membros do serviço militar por completo é uma questão delicada, citando a diminuição da população de jovens adultos do sexo masculino na Coreia do Sul.

Leia também

PUBLICIDADE

Pessoas e ideias que definiram negócios globais em 2021, segundo a Bloomberg

Reposição coloca minério perto de maior ganho semanal em 2 meses