PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Finanças pessoais

Cotistas de fundo imobiliário estão furiosos com gestora em grupos no Telegram

Gestora REC anunciou nova emissão de cotas de FII logístico com preço 26% abaixo do valor patrimonial

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Desde sexta-feira (28), grupos de Telegram e fóruns de investidores de fundos imobiliários brasileiros estão em chamas por causa da quarta emissão do REC Logística (RELG11), com uma subscrição anunciada 26% menor do que o valor patrimonial dos galpões e centros de distribuição que estão dentro do ativo.

No dia 11 de novembro, a REC Real Estate, uma gestora sediada em São Paulo, anunciou que faria a quarta emissão de cotas com o objetivo de captar R$ 150 milhões para comprar galpões logísticos em Camaçari e Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Segundo o documento protocolado pela gestora na CVM, seriam emitidas 1,56 milhão de cotas ao preço de R$ 95,84.

PUBLICIDADE

Na sexta-feira, a gestora rerratificou a emissão – isto é, ela corrigiu o valor da subscrição, mas ratificou a informação da nova emissão do RELG11. O valor foi reduzido de R$ 95,84 para R$ 70,31. Para manter a meta de arrecadação em R$ 150 milhões, a quantidade de emissão saltou de 1,56 milhão para 2,13 milhões. O período para confirmar participação na emissão é de 3 a 15 de dezembro. A liquidação dos valores ocorre no dia 16.

Veja mais: Quando a sua carteira de fundos imobiliários vai parar de afundar?

Os críticos alegam que o movimento da gestora destruiu boa parte do patrimônio dos seus cotistas, derrubando o preço patrimonial dos imóveis da carteira de R$ 95 por cota para cerca de R$ 78.

PUBLICIDADE

Num universo de 1,5 milhão de investidores em fundos imobiliários no Brasil, o RELG11 tem o tamanho diminuto de 4100 cotistas e patrimônio de 127 milhões (valor de mercado R$ 93 milhões), mas o barulho que ele causa na internet reflete um mal-estar do pequeno investidor com uma onda de emissões caras em muitos ativos, ocorridas em 2020 e 2021, cujo custo chegava a 3%. O custo anunciado da emissão do RELG11 é de 4,4% – o que também alimenta a insatisfação.

Um analista da indústria de FIIs, que conversou com a Bloomberg Línea em condição de ter o nome preservado por não ter autorização para falar publicamente, comparou o movimento da REC nesta emissão ao de “alguém que vai num velório e apronta”.

O RELG 11, que chegou a valer R$ 119,65 em dezembro de 2020, despencou para R$ 69,54 na segunda – valor mais baixo em 52 semanas. Hoje o está sendo negociado a R$ 70.

PUBLICIDADE

A analogia do clima de velório refere-se ao estado atual da indústria de FIIs no Brasil, uma classe de ativos que atraiu centenas de milhares de pequenos investidores por ano enquanto os juros estavam baixos. Com a alta da Selic este ano, as cotas da maioria dos fundos começaram a se desvalorizar com força. O IFIX, índice de referência, também patina em seu ponto mais baixo desde o ano passado.

Veja mais: Madero já emitiu ações para receber aporte de R$ 300 milhões

Não é assunto da alçada da CVM: a emissão de cotas com valor abaixo do patrimônio faz parte do poder discricionário do gestor e não contraria o regulamento do RELG11, que prevê a possibilidade de ajuste com base no valor de mercado.

PUBLICIDADE

A REC Real Estate foi procurada na tarde desta terça (30) e informou que não se pronunciaria por encontrar-se em período de silêncio determinado pela CVM. A Bloomberg Línea apurou, com base uma pessoa com conhecimento do caso, que a tese de investimento da gestora é que perdas no curto prazo agora, com a redução do valor patrimonial, poderiam ser compensadas nos próximos meses, com a valorização dos ativos comprados.

Num fato relevante de 10 de novembro sobre um dos ativos-alvo, um galpão em Camaçari, a transação foi descrita como estando “em linha com a estratégia do Fundo de buscar maior diversificação de ativos e locatários”.

Leia também:

PUBLICIDADE

Por que tantos aviões privados caem no Brasil

O que as disputas do Nubank contra os bancos ensinam sobre concorrência no Brasil

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE