promo
Mercados

Seguro-desemprego dos EUA cai para menor nível desde 1969

E mais: PIB americano avança 2,1% no terceiro trimestre, enquanto pedidos de bens duráveis recuam

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Os EUA divulgaram hoje um número de 199 mil novos pedidos de seguro-desemprego na última semana, abaixo dos 270 mil registrados na semana anterior, segundo dados do Departamento do Trabalho.

O número representa o menor nível desde 1969 e, se mantido, marcaria o próximo marco na recuperação desigual do mercado de trabalho.

A medida é utilizada pelo mercado para monitorar o avanço da recuperação do mercado de trabalho americano, um dos principais componentes levados em consideração na política monetária do Federal Reserve.

Veja mais: Ásia abre pregão de quarta com leve baixa de olho na inflação

Os pedidos totais totalizavam 2,04 milhões na semana encerrada em 19 de novembro – representando uma diminuição de quase 100 mil pedidos em comparação à semana anterior, segundo dados do Departamento do Trabalho dos EUA divulgados nesta quarta. Os dados, que geralmente saem às quintas, foram antecipados por conta do feriado de Ação de Graças no país.

Contudo, essa queda pode ser explicada pela forma como o governo ajusta os dados para seguir as variações sazonais. O economista-chefe do ICAP da Wrightson, Lou Crandall, apontou em nota recente que os fatores sazonais previam um aumento menor nos pedidos não ajustados em comparação com o mesmo período do ano passado, já que o mercado de trabalho estava com dificuldades para se recuperar.

Antes dos ajustes sazonais, os pedidos iniciais de seguro-desemprego aumentaram em cerca de 18 mil.

Os pedidos chegaram a 216 mil no final de fevereiro de 2020, pouco antes do início da pandemia nos EUA, o que levou as solicitações a um pico de 6,1 milhões no início de abril de 2020. Desde então, esse número vem diminuindo à medida que a economia reabre e os norte-americanos voltam ao trabalho. O seguro-desemprego do governo federal devido à pandemia foi encerrado em 6 de setembro em todos os estados.

Veja mais: estores ainda veem caminho para emissão zero como desafio

Mesmo assim, milhões de cidadãos ainda preferem o auxílio, frustrando os empregadores que desejam desesperadamente preencher o quase recorde de cargos vagos. As creches ainda são um problema sério para os pais, principalmente com os casos de Covid aumentando em muitos estados e causando uma nova interrupção nas aulas presenciais.

O relatório de empregos de outubro mostrou que as folhas de pagamento aumentaram 531 mil após grandes altas nos dois meses anteriores. Economistas projetam mais 500 mil adições em novembro – os dados serão divulgados em 3 de dezembro.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos avançou 2,1% no terceiro trimestre, enquanto o núcleo dos preços ao consumidor, uma medida para avaliar a inflação do país, teve alta de 4,5% no período.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (24) e também mostraram uma leve alta dos gastos dos consumidores desde a última prévia, passando de 1,6% para 1,7%.

PIB do terceiro trimestre e bens duráveis

Já o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos avançou 2,1% no terceiro trimestre, enquanto o núcleo dos preços ao consumidor, uma medida para avaliar a inflação do país, teve alta de 4,5% no período.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (24) e também mostraram uma leve alta dos gastos dos consumidores desde a última prévia, passando de 1,6% para 1,7%.

O país também divulgou um recuo de 0,5% nos pedidos de bens duráveis em outubro.

--Com assistência de Cécile Daurat e Sophie Caronello.

Leia também

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora-assistente na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.