Brasil

Banco Central adverte contra aumento de juros rápido demais

Modelos econômicos podem falhar em capturar com precisão o impacto defasado da política monetária, disse Campos Neto

“Em um país com uma memória vívida da inflação, é muito importante garantir que a redução das expectativas de inflação não comece uma reprecificação na economia"
Por Maria Eloisa Capurro
24 de Novembro, 2021 | 04:48 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente do Banco Central está preocupado com as expectativas de inflação acima da meta para o próximo ano, mas alertou contra as perspectivas de crescimento prejudicadas pelo aumento das taxas de juros muito rápido.

Roberto Campos Neto disse que os formuladores de políticas devem estar cientes de que os modelos econômicos em um mundo pós-pandêmico têm limitações e podem falhar em capturar com precisão o impacto defasado da política monetária sobre os preços. Ao mesmo tempo, eles precisam se certificar de que as expectativas de inflação não aumentem acima da meta, o que pode levar à perda de credibilidade no trabalho do banco e aumentar a inflação.

“O objetivo é não cometer nenhum desses erros”, disse ele em um evento online organizado pelo Bank of America. “Em um país com uma memória vívida da inflação, é muito importante garantir que a redução das expectativas de inflação não comece uma reprecificação na economia de forma a criar uma inércia mais alta que poderia ser evitada por ser mais pró-ativo.”

Analistas vêm revisando expectativas de inflação para 2022dfd

As taxas de juros com vencimento em janeiro de 2023, que sinalizam apostas dos investidores na Selic no final de 2022, caíram cerca de 16 pontos base pela tarde desta quarta (24).

PUBLICIDADE

O banco central do Brasil tem sido o mais agressivo do mundo este ano, aumentando a taxa Selic em 575 pontos-base desde março para 7,75% e sinalizando que outro aumento de 150 pontos-base está previsto para o próximo mês. Mesmo assim, as expectativas de inflação permanecem acima da meta até 2024. As projeções para o próximo ano estão próximas do teto da meta de 3,5%, que inclui uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Campos Neto parou de repetir a orientação do banco sobre outro aumento de 150 pontos-base em dezembro, e não disse se será possível trazer a inflação para a meta no próximo ano.

“Só posso dizer que isso será assunto de nossa conversa na próxima reunião”, disse ele, acrescentando que os membros do Copom têm enfatizado que seu objetivo é trazer a inflação para a meta. “Estamos analisando todas as variáveis para entender o que está acontecendo local e globalmente e como esse processo de disseminação está acontecendo.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE