promo
Green

Crise energética leva carbono a recorde enquanto Europa queima mais carvão

Preço do carbono ultrapassou os 70 euros pela primeira vez, à medida que os serviços públicos recorrem a combustíveis fósseis mais sujos

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Europa está cada vez mais dependente do carvão para manter as luzes acesas à medida que o tempo esfria, elevando o custo da poluição para um recorde.

O preço do carbono ultrapassou os 70 euros pela primeira vez, já que combustíveis fósseis mais sujos precisam ser usados para gerar energia. As usinas no Reino Unido estão queimando mais carvão desde o início do mês para manter as luzes acesas, pois o clima está mais frio do que o normal e temperaturas abaixo de zero estão previstas para as principais cidades nesta semana.

A Europa está enfrentando uma crise de energia com a retomada das economias pós-pandemia e as pessoas voltando aos escritórios. Isso está aumentando a demanda em um momento em que os suprimentos permanecem limitados. Anos de investimentos reduzidos em combustíveis fósseis se combinaram com a baixa velocidade do vento este ano, o que acabou por jogar o preço do gás, da energia e do carbono nas alturas, quebrando recordes dia após dia.

Com a escassez de gás natural fazendo com que os preços quadrupliquem este ano, os traders estão se preparando para queimar mais carvão neste inverno, o que exigirá mais licenças de poluição. Ao mesmo tempo, a União Europeia aumentou suas ambições climáticas, prometendo reduzir as emissões mais rapidamente nesta década. Isso significa que o preço do carbono terá que aumentar mais rapidamente.

Nossa curva atual de troca de gás para carvão aponta para o fato de que a Europa queimará carvão pelo menos até março de 2023, aumentando assim a emissão de CO2″, escreveram analistas da ClearBlue Markets, em uma nota por e-mail.

Os contratos futuros de carbono de referência para dezembro ganharam até 1,5% para um recorde de 70,43 euros por tonelada métrica na ICE Endex, antes de cair para 69,90 euros às 10:21 da manhã em Amsterdã. Os preços mais que dobraram este ano. A BloombergNEF prevê que o carbono custe mais de 100 euros por tonelada até 2030.

O carbono também ganhou impulso depois que as negociações da COP26, na Escócia, chegaram a um acordo para criar um mercado global, endossando o comércio de emissões como solução para combater o aquecimento global. O órgão fiscalizador do mercado da UE, a Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e Mercados, também descartou preocupações relativas a abuso e ao papel dos investidores especulativos no comércio de emissões, em um relatório na semana passada.

“Os participantes do mercado continuaram a atribuir a forte alta dos preços de emissões ao trading de opções e a aspectos técnicos, possivelmente fortalecido pelo relatório da ESMA”, declarou a Engie EnergyScan, em um relatório na segunda-feira (22).

O carbono subiu mesmo com a queda dos preços do gás. Os contratos futuros de referência do gás na Europa caíram 4%, para 83,69 euros por megawatt-hora. Os preços subiram 15% na semana passada depois que a Alemanha suspendeu o processo de certificação do polêmico gasoduto Nord Stream 2 da Rússia.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Processo por uso de carvão? Acredite, é possível

VLI assume compromisso de reduzir emissões em 15% até 2030