PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Biden mantém Powell na presidência do Fed e eleva Brainard a vice-presidente

Lael Brainard substituirá Richard Clarida no cargo de vice-presidente e pode enfrentar oposição dos republicanos do Senado por sua confirmação

Powell
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente americano Joe Biden escolheu Jerome Powell para um segundo mandato de quatro anos como presidente do Federal Reserve e elevou a governadora Lael Brainard à vice-presidência, mantendo a consistência no banco central dos EUA enquanto o país luta com a inflação mais rápida em décadas e efeitos persistentes da Covid-19.

A medida, anunciada pela Casa Branca nesta segunda-feira (22), recompensa Powell por ajudar a resgatar a economia dos EUA da pandemia e dá a ele a missão de proteger a recuperação de um aumento nos preços ao consumidor. Republicano, Powell deve provavelmente ter uma confirmação tranquila no Senado, onde foi apoiado para seu primeiro mandato como presidente em uma votação de 84-13 e cujos membros ele tem trabalhado para cortejar.

PUBLICIDADE

Brainard substituirá Richard Clarida no cargo de vice-presidente e pode enfrentar oposição dos republicanos do Senado por sua confirmação. Ela foi entrevistada por Biden para a posição de presidente e vista como uma forte concorrente para o cargo separado de vice-presidente de supervisão, que permanece vago.

Veja mais: Ao vivo | Biden apresenta indicação de Jerome Powell ao Federal Reserve

Biden planeja anunciar essa indicação junto com escolhas adicionais para vagas abertas na Assembleia de Governadores a partir do início de dezembro, disse a Casa Branca.

PUBLICIDADE

Powell, de 68 anos, teve apoio bipartidário, incluindo da secretária do Tesouro Janet Yellen e outros democratas, embora democratas progressistas como a senadora de Massachusetts Elizabeth Warren pressionassem Biden para escolher alguém mais alinhado com eles na supervisão de bancos e no combate às mudanças climáticas. Powell também teve que responder por um escândalo de ética depois de revelações sobre investimentos por alguns altos funcionários do Fed.

A escolha de Powell por Biden deve ser vista com otimismo por investidores, garantindo a continuidade da política do banco central americano, uma vez que este começa a retirar a política monetária ultrafácil em meio aos desafios da inflação persistente.

Veja mais: Casa Branca insiste que agenda econômica de Biden não irá aumentar a inflação

PUBLICIDADE

Biden, em um comunicado por escrito, chamou a recuperação econômica até agora de um “testamento da agenda econômica que tenho perseguido e da ação decisiva que o Federal Reserve tomou sob a presidência de Powell e Dr. Brainard para nos ajudar a atravessar a pior recessão na história americana moderna e nos colocar no caminho da recuperação. "

Biden acrescentou: “Estou confiante de que o foco do presidente Powell e de Brainard em manter a inflação baixa, os preços estáveis e proporcionar pleno emprego tornará nossa economia mais forte do que nunca.”

Ele também destacou o que chamou de sua “profunda crença de que uma ação urgente é necessária para lidar com os riscos econômicos representados pela mudança climática e ficar à frente dos riscos emergentes em nosso sistema financeiro”.

PUBLICIDADE

Quem é Lael Brainard

Brainard e Powell têm opiniões semelhantes sobre a política monetária, mas divergem sobre a regulamentação bancária, com Brainard se opondo em quase todas as etapas versus as modestas reversões de Powell de algumas das restrições impostas aos bancos após a crise financeira.

Brainard, 59, foi nomeada governadora do Fed em 2014 pelo presidente Barack Obama. Em 2020, Biden considerou escolhê-la como secretária do Tesouro, antes de escolher Janet Yellen.

Graduada pela Universidade de Harvard, Brainard atuou na Casa Branca de Bill Clinton como assessora econômico nacional adjunta. Em 2009, no governo Obama, ela ingressou no Tesouro e se tornou subsecretária para assuntos internacionais em 2010.

PUBLICIDADE

Segundo mandato de Powell

O segundo mandato de Powell será muito diferente do primeiro. Enquanto a economia está se recuperando, a inflação está em alta em três décadas, os casos da Covid-19 permanecem elevados e as cadeias de suprimentos tensas apresentam grandes incertezas.

Algumas autoridades já estão sugerindo que o Fed pode precisar retirar seu programa massivo de compra de ativos mais rápido do que o planejado e Powell também presidirá um comitê com vários membros que provavelmente desejam aumentar as taxas de juros mais cedo do que ele.

Powell disse este mês que não considerará aumentar as taxas até que o mercado de trabalho mostre maiores sinais de cura.

--Com a colaboração de Steven T. Dennis e Matthew Boesler

Leia também

PUBLICIDADE