PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Equipe da Casa Branca não vê problema em investimento em ETF de Powell

O presidente americano Joe Biden disse que decidirá “bastante rapidamente” sobre a cadeira do Fed

Vários funcionários importantes que trabalharam na nomeação não viram motivo para preocupação com as negociações de Powell
Por Jennifer Jacobs, Saleha Mohsin e Steven T. Dennis
11 de Novembro, 2021 | 07:58 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Altos funcionários da Casa Branca não acreditam que a venda de ações do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em um fundo de índice de ações no ano passado, o desqualifique para um segundo mandato, segundo pessoas a par do assunto.

Vários funcionários importantes que trabalharam na nomeação não viram motivo para preocupação com os investimentos de Powell, de acordo com pessoas familiarizadas com as deliberações. Ninguém mencionou os negócios de Powell nas reuniões de um círculo restrito de conselheiros na busca por cadeiras do Fed, disseram duas pessoas.

O presidente Joe Biden disse que decidirá “bastante rapidamente” sobre a escolha da cadeira do Fed e se reuniu na semana passada com Powell e o governador do Fed, Lael Brainard, na Casa Branca, disseram pessoas familiarizadas com o tópico. O mandato de Powell como presidente termina em fevereiro.

Veja mais: Biden entrevista Lael Brainard como possível sucessora de Powell no Fed

PUBLICIDADE

Indicações de que a Casa Branca está pensando na situação comercial não significam que Powell obterá a indicação. Mas elas sugerem que a área de contenção sobre a cadeira atual diminuiu.

Alguns membros do governo que apoiam Brainard para a presidência ainda estão preocupados com os negócios, disseram as pessoas.

Powell vendeu um fundo de índice de ações com valor entre US$ 1 milhão e US$ 5 milhões em outubro passado. A transação ocorreu fora do período de blecaute do Fed e meses após o Fed definir sua política monetária pandêmica.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, que durante o verão dos EUA recomendou à Casa Branca a recondução de Powell, não quer que a escolha da cadeira do Fed se torne politizada, de acordo com pessoas próximas. Ela também valoriza a continuidade da liderança, disseram.

PUBLICIDADE

Veja mais: Quarles anuncia saída do Fed e Biden terá mais um assento

A Casa Branca não respondeu aos pedidos de comentários. A equipe de comunicações do Departamento do Tesouro e um porta-voz do Fed não quiseram comentar.

Alguns progressistas chamaram a atenção para os negócios visando favorecer a subsitutição de Powell por Brainard. O colunista liberal Robert Kuttner do American Prospect levantou questões sobre a propriedade das vendas em uma coluna no mês passado.

Além dos negócios de Powell, dois presidentes de bancos regionais deixaram o Federal Reserve este ano após a divulgação de extensas negociações em 2020. Desde então, Powell lançou uma ampla revisão da ética no Fed que restringirá as negociações de altos funcionários do banco. Alguns democratas no Congresso também propuseram uma legislação para proibir a negociação de ações por funcionários do Fed.

Se Brainard for indicada para a presidência, ela provavelmente também enfrentará questionamentos sobre o escândalo comercial, visto que ela preside o comitê que supervisiona os bancos regionais, um ponto levantado recentemente pelo principal republicano no Comitê Bancário do Senado, Pat Toomey, da Pensilvânia.

Veja mais: Clarida vê condições para Fed subir juros até fim de 2022

PUBLICIDADE

“Este episódio levanta questões sobre as operações do Comitê de Assuntos do Federal Reserve Bank, que é presidido por Brainard, que é diretamente responsável por supervisionar os bancos regionais do Fed e seus presidentes”, disse Toomey em um comunicado elogiando Powell quando ele anunciou o novos freios comerciais.

- Com a ajuda de Craig Torres

Veja mais em bloomberg.com