PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Chefe da PlayStation critica resposta da Activision em caso de assédio

CEO da Activision, Bobby Kotick, está sendo acusado de encobrir casos de assédio e de discriminação na empresa

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O chefe da PlayStation, da Sony, Jim Ryan, advertiu a Activision Blizzard nesta quarta-feira (17) por uma resposta considerada inadequada às afirmações de que o CEO, Bobby Kotick, estava ciente das alegações de má conduta sexual e assédio na empresa por anos e de que ele havia maltratado mulheres.

Em um e-mail para funcionários obtido pela Bloomberg, Ryan colocou um link para a matéria de terça-feira do Wall Street Journal sobre o assunto. Ele escreveu que ele e sua liderança ficaram “desanimados e francamente chocados ao ler” que a Activision “não fez o suficiente para lidar com uma cultura profundamente arraigada de discriminação e assédio”.

PUBLICIDADE

“Entramos em contato com a Activision imediatamente após a publicação do artigo para expressar nossa profunda preocupação e perguntar como eles planejam lidar com as alegações”, escreveu ele. “Não acreditamos que suas declarações de resposta abordem adequadamente a situação.”

Veja mais: Nintendo diminui perspectiva de vendas do Switch devido à escassez de chips

Como um dos maiores fabricantes de consoles da indústria de videogames, a Sony tem um relacionamento próximo com a Activision, que produz sucessos como Call of Duty e World of Warcraft. Além de publicar a maioria de seus jogos em consoles PlayStation, a Activision trabalhou com a Sony em acordos de marketing. As últimas entradas da série Call of Duty, incluindo Call of Duty: Vanguard deste ano, apresentaram modos e conteúdo exclusivos para o PlayStation.

PUBLICIDADE

A Activision também está sob fogo de seus próprios funcionários. Mais de 100 saíram na última terça-feira e pediram a renúncia de Kotick. O conselho emitiu uma declaração apoiando Kotick. As ações da Activision caíram 2,5% em Nova York hoje.

O e-mail de Ryan não especificava as ações que a Sony tomaria contra a Activision, mas a Sony foi proativa no passado quanto à remoção de jogos de sua loja online PlayStation quando estava descontente. Em dezembro passado, a Sony retirou o tão aguardado jogo Cyberpunk 2077 de sua loja e ofereceu reembolso total aos jogadores depois que o lançamento foi crivado de bugs e teve um desempenho ruim nas versões de console. A Sony restabeleceu o título cerca de seis meses depois.

Veja mais: Escassez de dispositivos Apple ameaça festas de fim de ano como nunca

PUBLICIDADE

Ryan enfatizou para sua equipe que a Sony Interactive Entertainment “está empenhada em garantir que nossa comunidade de desenvolvedores e jogadores se sintam seguros e respeitados, e em fornecer um ambiente de trabalho seguro para todos os funcionários”. Ele pediu aos funcionários que relatassem casos de assédio ou discriminação e prometeu que qualquer ação seria investigada.

Kotick está enfrentando preocupações crescentes sobre a direção da empresa, inclusive na forma de vários processos judiciais e uma investigação pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos. Kotick se desculpou por uma reação inicial da empresa que foi considerada “surda” pela equipe e tomou medidas para limpar a cultura corporativa, incluindo a redução de seu salário até que novas metas de gênero sejam cumpridas, e o cancelamento de seu maior evento anual de jogos, a BlizzCon.

Mas seu apoio está diminuindo. Um pequeno grupo de acionistas da Activision Blizzard, responsável por menos de 1% das ações em circulação, disse que pediu a renúncia de Kotick em uma carta ao conselho da empresa.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE