Negócios

Magalu recomprou quase R$ 200 mi em ações em outubro; papel despenca

Ações da empresa chegaram a cair mais de 20% nesta terça, seguindo movimento de outras varejistas

Na última quinta-feira (11), a companhia reportou seus rendimentos do terceiro trimestre, no qual viu seu lucro encolher 89,5% em 12 meses
16 de Novembro, 2021 | 03:03 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — As ações da Magazine Luiza (MGLU3) chegaram a cair mais de 20% nesta terça-feira (16), seguindo o movimento de queda das grandes varejistas e outros papéis ligados ao varejo no Brasil, com investidores aproveitando para realizar lucros enquanto monitoram os mais recentes dados sobre a economia do país.

  • Mais cedo, o índice de vendas no varejo calculado pela Cielo, o ICVA, mostrou um recuo de 0,8% em outubro na base anual, a primeira queda em seis meses, indicando um possível recuo no apetite por mercadorias dos brasileiros frente ao avanço da inflação
  • Perto das 14h30, as ações do Magalu registravam queda de 9,15%, a R$ 10,13

Veja mais: Luiza Trajano: “Dizem que sou de direita quando defendo privatizar Correios; e de esquerda quando defendo Bolsa Família”

Recompra de ações

A empresa também informou uma compra de ações de R$ 193,2 milhões no mês de outubro. A transação foi feita em três etapas, totalizando 13,4 milhões de papéis comprados.

Segundo dados enviados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a maior movimentação aconteceu em 18 de outubro, onde foram negociadas aproximadamente R$ 86,3 milhões de ações. Após a transação, o saldo final em tesouraria relatado subiu 18%.

PUBLICIDADE

Na última quinta-feira (11), a companhia reportou seus rendimentos do terceiro trimestre, no qual viu seu lucro encolher 89,5% em 12 meses. A varejista lucrou R$ 22,6 milhões entre julho e setembro. Há um ano, reportava R$ 215,9 milhões. As lojas físicas tiveram queda de 8% nas vendas entre julho e setembro, nessa mesma comparação.

A companhia atribuiu a performance negativa à “piora dos indicadores macroeconômicos ao longo do trimestre, como o aumento da inflação e da taxa de juros, e também pela forte base de comparação (crescimento 18,3% no 3T20)”. No dia seguinte, o papel teve queda de mais de 7%.

Leia também

Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.