PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

G-7 faz simulação de cibersegurança por aumento de ameaças

Presidente do Fed, Jerome Powell, já exprimiu preocupação com a paralisação de sistemas financeiros por uma ameaça cibernética

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A secretária do Tesouro, Janet Yellen, e contrapartes de outras potências econômicas importantes conduziram um “exercício cibernético” na terça-feira (16) para mostrar a importância da cooperação internacional em meio a ameaças crescentes ao sistema financeiro.

O exercício incluiu ministros da Fazenda e chefes de bancos centrais dos países do G7 e “mostrou como os membros do G7 buscarão cooperar no caso hipotético de um incidente internacional significativo que afete o setor financeiro”, disse o Tesouro em um comunicado na terça-feira (16).

PUBLICIDADE

As autoridades e órgãos reguladores dos Estados Unidos e de outros países mencionaram que as ameaças cibernéticas são uma ameaça cada vez maior à estabilidade financeira. No ano passado, o G7 estabeleceu um programa de testes plurianual para melhorar a capacidade de governos e empresas do setor privado responderem a ciberataques.

Veja mais: O que você precisa saber sobre a Dogecoin, a cripto queridinha de Elon Musk

Em entrevista para a emissora CBS em abril, Jerome Powell – presidente do Federal Reserve, banco central dos EUA – afirmou estar preocupado com possíveis cenários em que um grande sistema de pagamentos ou instituição financeira pode ficar paralisada por um ataque cibernético.

PUBLICIDADE

“Há muito esforço para lidar com essas ameaças”, disse ele na época. “Grande parte das ameaças atuais são cibernéticas”.

Durante a sessão na terça-feira (16), Yellen “reafirmou o compromisso do Tesouro em combater as ameaças de ransomware e outras atividades cibernéticas maliciosas em todo o setor de serviços financeiros e na economia”, segundo o comunicado.

Um porta-voz do Tesouro não quis comentar sobre o exercício.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Ibovespa se aproxima da mínima do ano com tombo de Magalu e outras varejistas

Brasil busca Elon Musk para conectar escolas e proteger a Amazônia

PUBLICIDADE