PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

O que você precisa saber sobre a Dogecoin, a cripto queridinha de Elon Musk

Famosas nas redes e criada a partir de um meme, a Dogecoin chegou a acumular ganho de mais de 21.000% em 2020

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Se você acompanha as redes sociais, principalmente de pessoas como Elon Musk, talvez já tenha visto a palavra Dogecoin em algumas postagens. Assim como outros segmentos de criptomoedas, ela ganhou força recentemente: em 2020, chegou a acumular ganho de mais de 21.000%, segundo a CoinGecko.

Mas seu reconhecimento não foi somente pelos seus ganhos extraordinários, mas também por ter se tornado a queridinha de muitas personalidades, não só o dono da Tesla como também o famoso empreendedor Mark Cuban e até mesmo o rapper Snoop Dogg.

PUBLICIDADE

Lançada em 2013 pelos desenvolvedores de software Billy Markus e Jackson Palmer, a Dogecoin nasceu como uma Meme Coin, que são moedas criadas geralmente a partir de um meme, uma piada da internet. Nesse caso, o meme em questão era a imagem de um cachorro da raça japonesa Shiba Inu que viralizou na internet. Daí o nome Doge.

Em apenas oito anos, a brincadeira virou coisa de gente grande e hoje, o Dogecoin (DOGE) é o 9º maior criptoativo do mundo, contando com uma série de variações, entre elas Shiba inu (SHIB), Dogelon Mars (ELON), Floki Inu (FLOKI), Saitama Inu (SAITAMA), entre outras.

Características

A Dogecoin foi criada tendo como base o protocolo de um outro segmento de criptomoedas, as Litecoins. Essa característica faz com que o tempo de sua transação seja bem mais acelerado que outros ativos digitais.

PUBLICIDADE

Por exemplo, uma transação envolvendo a principal criptomoeda do mundo, o Bitcoin, demora em média 10 minutos para ser concluída. Já uma de Litecoin demora 2,5 minutos. Enquanto isso, uma transação com Dogecoin leva apenas 1 minuto para ser realizada. Essa característica faz também com que ela possa ser processada por computadores comuns, facilitando seu acesso.

Veja mais: O que são stablecoins e o que você precisa saber sobre elas

Outro ponto é a quantidade. Ao contrário do Bitcoin, as Dogecoins não possuem um número máximo de unidades que serão criadas. Atualmente, existem no mundo mais de 132 bilhões de unidades em circulação. Anualmente, 5 bilhões de Dogecoins são mineradas.

PUBLICIDADE

Além da velocidade e da quantidade, o que também distingue as Dogecoins de outras criptomoedas é a força de sua comunidade. Por ser uma Meme Coin que nasce na internet de forma cômica e viralizante, elas contam com uma rede de engajamento muito forte nas redes sociais.

Simpática, mas vale a pena?

Especialistas em criptomoedas são um tanto céticos quanto aos benefícios das Dogecoins. Uma única vantagem que é consenso é a rápida divulgação do ativo, que por muitas vezes resulta em uma sua forte valorização momentânea.

Mas, por não possuírem um projeto consistente por trás de sua criação, as Dogecoins acabam sendo consideradas um tipo de investimento bastante arriscado. O ativo “não possui fundamentos sólidos para justificar e manter a alta nos preços”, pontua Thales Inada, especialista em criptoativos e investimentos alternativos da Spiti.

PUBLICIDADE

“A volatilidade é extremamente alta e consequentemente o risco também”, acrescenta Inada. “O projeto foi abandonado pelo seu criador e praticamente não possui mais atualizações, o que expõe o ativo a elevados riscos”, conclui. Contudo, uma pessoa que tinha US$ 1.000 em Dogecoin em 2018, hoje tem aproximadamente US$ 12 milhões do ativo.

Veja mais: Conhece Shiba Inu? É a 11ª maior criptomoeda após subir 50% no fim de semana

Apesar do buzz, o criptoativo não é visto como uma ameaça para outros segmentos de criptomoedas. “Vejo que esse tipo de Meme Coin se fortalece por oferecer uma espécie de mistura de entretenimento e investimento”, diz André Franco, analista da Empiricus. “Podemos comparar as meme coins com as ações consideradas micos do mercado financeiro, extremamente voláteis e sem fundamentos”, comenta Inada.

PUBLICIDADE

Futuro?

Assim como outras criptomoedas, as Dogecoins parecem ter vindo para ficar. Mas o investidor “deve estar ciente do seu risco e da falta de fundamento do ativo”, alerta Inada. “É meramente especulativo, coloque nelas só o que estiver disposto a perder.”

Já André Franco pontua que enquanto durar o bull market “veremos cada vez mais moedas desse tipo”. Só que, quando esse período acabar, “a tendência é que a grande maioria dessas moedas desapareça, justamente por não ter fundamentos fortes”, diz.

E Elon Musk…

No mês passado, em um de seus inúmeros comentários sobre a moeda, Elon Musk disse em seu Twitter que as taxas da rede Dogecoin precisam cair para que a cripto se torne mais amplamente usada nas compras de varejo.

“É muito importante que as taxas do Doge caiam para tornar viáveis coisas como a compra de um filme”, disse o CEO da Tesla em um tweet, em aparente referência aos planos da AMC Entertainment Holdings de aceitar a criptomoeda inspirada no popular meme de um Cachorro Shiba Inu.

Em maio, Musk disse que estava trabalhando com os desenvolvedores do Dogecoin para “melhorar a eficiência das transações do sistema”.

Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.

PUBLICIDADE