PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Vacina da Pfizer gera resposta mais forte, diz estudo comparativo

Diferenças provavelmente incluirão fatores como a quantidade de ingrediente ativo em cada dose e o intervalo entre a primeira e a segunda injeção

"Uma vacinação generalizada com uma vacina de menor eficácia ainda pode representar uma rota para diminuir infecções, hospitalizações e mortalidade”, conforme os autores do estudo
Por Jason Gale
15 de Novembro, 2021 | 10:28 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A vacina contra Covid-19 da Pfizer e BioNTech produziu a resposta imunológica mais forte entre as quatro vacinas testadas em um estudo, que descobriu que as pessoas que recebem a inoculação de Sinopharm podem ser particularmente suscetíveis a uma infecção invasiva.

Os níveis de anticorpos protetores para a parte do coronavírus que o SARS-CoV-2 usa para infectar células humanas variaram amplamente em cada um dos quatro grupos de vacina. Concentrações de anticorpos “relativamente baixas” foram estimuladas pelas vacinas Sinopharm e Sputnik V, níveis intermediários para a vacina AstraZeneca e os valores mais altos para a vacina Pfizer-BioNTech, mostrou um estudo no jornal Cell Host and Microbe.

PUBLICIDADE

As razões para as diferenças nas respostas imunológicas entre os tipos de vacinas são objeto de intensa pesquisa. Eles provavelmente incluirão fatores como a quantidade de ingrediente ativo em cada dose e o intervalo entre a primeira e a segunda injeção, disseram os autores da Universidade de Stanford, da Fundação Onom e do Centro Nacional de Doenças Zoonóticas em Ulaanbaatar, publicado quinta-feira.

Veja mais: Pílula da Pfizer contra Covid reduz hospitalizações e mortes em 89%

Variações na forma como as vacinas foram administradas podem ter influenciado os resultados. As comparações do estudo foram falhas, com mais tempo decorrido entre a administração da injeção do Sputnik V e as medições de anticorpos do que com as outras imunizações, de acordo com o Fundo de Investimento Direto Russo estatal, que apoiou o desenvolvimento do Sputnik V e é responsável por sua avaliação internacional sair da cama.

PUBLICIDADE

Aqueles que receberam o Sputnik V também eram 10 anos mais velhos do que os participantes que receberam as outras injeções, disse o fundo de investimento.

O estudo foi conduzido em julho entre 196 pessoas totalmente imunizadas na Mongólia, onde todas as quatro injeções foram usadas, uma raridade. Os resultados sugeriram que os destinatários do Sinopharm, que representavam 89,2% dos adultos vacinados na Mongólia na época, bem como o menor número de pessoas que receberam as vacinas Sputnik V ou AstraZeneca, podem ser suscetíveis a infecções invasivas, disseram os autores.

Doses de reforço

“Intervenções adicionais de saúde pública, como doses de reforço, potencialmente com os tipos de vacina mais potentes, podem ser necessárias para controlar ainda mais a pandemia Covid-19 na Mongólia e em todo o mundo”, disseram eles.

O estudo não forneceu detalhes sobre os regimes de vacinação usados, incluindo o intervalo entre as doses, o que pode ter subestimado a resposta dos anticorpos à vacina AstraZeneca, nem estudou a resposta imune celular, disse Sam Fazeli, analista da Bloomberg Intelligence.

PUBLICIDADE

A Mongólia experimentou uma onda de infecções por coronavírus no verão devido principalmente à variante alfa, disseram os pesquisadores. Níveis elevados de anticorpos foram observados em todos os grupos de vacinas após uma infecção inicial.

“Diante da crise de saúde pública de aumento de infecções por SARS-CoV-2 e fornecimento ou distribuição limitada das vacinas mais eficazes, a vacinação generalizada com uma vacina de menor eficácia ainda pode representar uma rota para diminuir infecções, hospitalizações e mortalidade”, disseram os autores.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: Drones levam vacina da Pfizer a lugares remotos na África