promo
Mercados

Ameaças à oferta global elevam café em NY para máxima em 7 anos

Futuros do grão para entrega em março chegaram a registrar alta de 2,6%

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Problemas de abastecimento do Brasil ao Vietnã impulsionam os preços do café, que atingiu a maior cotação em sete anos em Nova York. Investidores reagem ao clima adverso, gargalos logísticos e custos mais altos de fertilizantes que ameaçam reduzir a oferta.

Os futuros do grão arábica para entrega em março chegaram a registrar alta de 2,6%, cotados a US$ 2,189 por libra-peso em Nova York, o maior valor desde 16 de outubro de 2014. As cotações subiram mais de 90% nos últimos 12 meses.

Veja mais: Na Colômbia, café tem gosto brasileiro

A oferta do Brasil, maior produtor mundial de café, foi reduzida pela seca e geadas que danificaram os cafeeiros. Na Colômbia, segundo maior fornecedor de arábica, o excesso de chuvas afetou a produtividade e pode propiciar o surgimento de doenças nos pés de café. O salto dos preços dos fertilizantes agrava os problemas de agricultores, enquanto os custos de frete elevados e a falta de navios porta-contêineres dificultam a exportação de grãos.

O avanço dos contratos futuros pode elevar ainda mais os preços em cafeterias e supermercados quando a inflação dos alimentos se acelera. Algumas empresas já reajustaram os preços, e os custos mais altos atingiriam em cheio os bolsos dos consumidores. Em outubro, os preços ao consumidor dos EUA subiram no maior ritmo anual em 30 anos, segundo dados do governo.

O La Niña deve se intensificar nos próximos três meses antes de desaparecer em 2022, de acordo com o Centro de Previsão do Clima dos EUA. O fenômeno climático pode ter forte impacto nos mercados agrícolas da América do Sul com a ameaça de condições mais secas.

Além disso, os preços dos fertilizantes no Brasil enfrentam ainda mais pressão devido ao aumento das restrições às exportações globais e demanda estável, de acordo com a Bloomberg Intelligence.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Produção de café ensaia recuperação após chuvas, diz Ecom

Ouvi Num Podcast: café colombiano é... brasileiro?