PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

JBS está pronta a jogar de igual para igual com Tyson, diz CEO

No radar do frigorífico estão novos negócios com margens elevadas, como empresas no segmento à base de plantas e aquicultura

Recentemente, a Moody’s elevou a nota de crédito da empresa, antes classificada com grau especulativo
Por Tatiana Freitas
11 de Novembro, 2021 | 01:40 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Lucro recorde e dívida mais barata colocam a JBS na posição ideal para acelerar a aquisição de concorrentes no mercado de proteínas.

A forte demanda por carne bovina nos Estados Unidos e preços em alta estão por trás do aumento do lucro da empresa, o que lhe permitiu reduzir as dívidas e consolidar o grau de investimento. Isso ajuda a diminuir a desvantagem no custo do crédito em relação à Tyson Foods, sua maior rival, disse o diretor-presidente da JBS, Gilberto Tomazoni.

PUBLICIDADE

“Agora começamos a jogar de igual para igual com a Tyson”, disse Tomazoni em entrevista na quarta-feira (10). “Nos tornamos mais competitivos no processo de fusões e aquisições.”

Depois de subir ao topo do ranking global de frigoríficos na esteira de uma série de aquisições financiadas por dívida, a JBS tem trabalhado para melhorar os indicadores de alavancagem nos últimos anos. Recentemente, a Moody’s elevou a nota de crédito da empresa, antes classificada com grau especulativo, o que ajuda planos de refinanciamento que incluem a recompra de títulos.

“Há potencial de US$ 220 milhões em economias com o refinanciamento de dívidas”, disse o diretor financeiro da JBS, Guilherme Cavalcanti, na mesma entrevista.

PUBLICIDADE

Veja mais: JBS: Mais dois membros da família Batista deixam o conselho

A relação dívida líquida/Ebitda da empresa atingiu uma mínima no terceiro trimestre, enquanto a receita e o lucro líquido foram recordes e superaram as estimativas de analistas. O forte desempenho nos EUA compensou os maiores preços do gado e altos custos dos grãos no Brasil.

A JBS, que tinha US$ 4,3 bilhões em caixa no fim de setembro, pagou US$ 3,3 bilhões aos acionistas e gastou US$ 3,7 bilhões em aquisições até agora neste ano. No radar estão novos negócios com margens elevadas, como empresas no segmento à base de plantas e aquicultura.

“Queremos transformar os dois em um grande negócio”, disse Tomazoni.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE