Mercados

Investidor aproveita barganhas e Ibovespa ronda os 108 mil

Dados do varejo brasileiro aquém do esperado preocupam, mas fundamentos corporativos prevalecem

Movimentações em Brasília também seguem acompanhadas de perto pelos investidores
11 de Novembro, 2021 | 11:02 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Ibovespa tem uma manhã de ganhos nesta quinta-feira (11), com investidores aproveitando as perdas recentes para entrar em papéis descontados. Por outro lado, os dados do varejo divulgados pela manhã decepcionaram e atrapalham um bom humor mais consistente. Ainda assim, o mercado se apega em fundamentos corporativos e agenda de balanços para apostar nos papéis.

Enquanto isso, lá fora, as bolsas europeias e os futuros dos Estados Unidos têm altas firmes, um dia depois de vendas fortes após dados de inflação americana além do estimado. Hoje (11) o mercado de Treasuries está fechado nos EUA devido a um feriado, o que reduz a liquidez entre os mercados de renda variável.

  • Perto das 10h50, o Ibovespa subia 1,98%, a 108.070 pontos
    • Vale (VALE3) e siderúrgicas eram destaques de alta, em dia de disparada do minério de ferro. Magazine Luiza (MGLU3), que divulga balanço hoje após o fechamento, também se destacava entre os maiores ganhos.
  • O dólar caía 0,95%, a R$ 5,458, assim como os DIs. O vencimento para janeiro de 2023 recuava de 12,200% para 11,960%. O DI para janeiro de 2027 caía de 11,670% para 11,520%
  • Nos EUA, o S&P 500 futuro subia 0,35%, o futuro do Dow Jones, 0,04%, e do Nasdaq, 0,82%

Contexto

As vendas no varejo brasileiro tiveram queda mensal de 1,3% em setembro, o segundo recuo consecutivo após quatro altas. No ano, o varejo acumula crescimento de 3,8% e nos últimos 12 meses, alta de 3,9%. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme Guilherme Sousa, economista Ativa Investimentos, o recuo surpreendeu, ante uma expectativa de queda de 0,6%, mas ainda é necessário aguardar por novos dados para uma conclusão mais abrangente. “Nós da Ativa não alteramos a perspectiva de PIB e ainda esperamos alta de 4,5% para 2021. Apesar do viés baixista, aguardaremos os dados da pesquisa mensal de serviços (maior relevância no PIB), amanhã (12), para melhor avaliar a estimativa de crescimento do país.”

Ao mesmo tempo, investidores acompanham as movimentações em Brasília, após aprovação da PEC dos precatórios pelos deputados em segundo turno na terça-feira (9). Agora, a expectativa é sobre as conversas entre os senadores para que a matéria seja votada por lá antes de dezembro.

Kariny Leal

Kariny Leal

Jornalista carioca, formada pela UFRJ, especializada em cobertura econômica e em tempo real, com passagens pela Bloomberg News e Forbes Brasil. Kariny cobre o mercado financeiro e a economia brasileira para a Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE