PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Inflação atinge ponto mais alto em 30 anos e ameaça pressionar política dos EUA como nos anos 1980

2022 terá a primeira eleição nacional em que a inflação será uma questão importante desde a vitória de Reagan sobre o presidente Jimmy Carter

Inflação deve pressionar eleições legislativas de 2022
Por Mike Dorning
10 de Novembro, 2021 | 08:36 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — “É mais fácil para você sair e comprar coisas nas lojas do que há quatro anos?” Ronald Reagan perguntou dias antes de sua vitória na eleição presidencial de 1980. Essa simples questão surge como um fator decisivo na eleição para o Congresso do ano que vem.

A inflação está agora atingindo seu ponto mais alto em uma geração, com um relatório na quarta-feira mostrando que os preços ao consumidor subiram 6,2% ao ano em outubro. Quase todos os analistas econômicos esperam que esfrie no próximo ano, mas a questão-chave para o presidente Joe Biden e os democratas no Congresso é com que rapidez e quanto.

Enquanto Biden argumenta que a inflação será puxada para baixo por sua próxima conta de gastos sociais de US$ 1,75 trilhão, junto com um plano de infraestrutura de US$ 550 bilhões que ele assinará em breve, os republicanos estão martelando exatamente o argumento oposto: o dinheiro distribuído pelo do governo está elevando os preços. Até mesmo alguns democratas estão ecoando as preocupações fiscais do Partido Republicano, complicando as perspectivas para o pacote legislativo pendente.

O que está em jogo na rapidez com que a inflação recua e no debate sobre a causa e o remédio para a escalada de preços é o controle do Congresso. Nas eleições de meio de mandato de novembro que vem, a pequena maioria dos democratas de ambas as Câmaras estará em disputa. É efetivamente a primeira eleição nacional em que a inflação será uma questão importante desde a vitória de Reagan sobre o presidente Jimmy Carter.

PUBLICIDADE

“Nunca registramos tantas pessoas falando sobre altos preços de residências ou de eletrodomésticos ou de TV”, disse Richard Curtin, que supervisiona a Pesquisa de Opinião do Consumidor da Universidade de Michigan, um indicador-chave das atitudes domésticas. “Recebemos uma grande parte das pessoas falando sobre a redução de seus padrões de vida devido à inflação”, o que piorou porque “os consumidores não veem políticas econômicas eficazes para conter a inflação”, disse ele.


Mais perto do normal

Fed não pode permitir aumento de preços como nos anos 1970dfd

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse em uma entrevista que foi ao ar na terça-feira no “Marketplace” da National Public Radio que ela espera que a inflação no próximo ano fique “mais próxima dos 2%, que consideramos normais”.

PUBLICIDADE

Os analistas externos concordam amplamente. A mediana das estimativas dos economistas consultados pela Bloomberg é de 2,8% no terceiro trimestre do ano que vem, na véspera da eleição, com 2,4% vistos para os últimos três meses de 2022. Os futuros da gasolina estão sendo negociados a cerca de 18 centavos por galão mais baixo para outubro próximo em comparação aos níveis atuais, sinalizando que os preços na bomba devem cair.

Mas muito depende do curso da pandemia, e as coisas podem piorar antes de melhorar, sem nenhuma garantia de que os gargalos da cadeia de abastecimento serão totalmente eliminados. Enquanto isso, os preços crescentes nas filas de caixas dos supermercados e na bomba de gasolina já estão incomodando o público, e grande parte do país sofrerá mais choque quando as contas do aquecimento no inverno começarem a chegar.

E mesmo se a inflação nas manchetes diminuir, alguns custos podem continuar subindo. Os economistas do Goldman Sachs Group Inc. esperam que os aumentos de aluguel no próximo ano cheguem a níveis máximos em 30 anos. As últimas perspectivas do banco de Wall Street definem a inflação a uma taxa historicamente alta, acima de 4% no terceiro trimestre.

Preços de moradia

Biden disse na quarta-feira que instruiu os principais assessores econômicos a se concentrar na redução dos custos de energia e sinalizou o papel do Federal Reserve no monitoramento dos preços. Ele também pediu aos reguladores que observassem qualquer “manipulação de preços”. Durante uma parada em Baltimore, ele destacou os benefícios de sua conta de infraestrutura como parte de “um plano para terminar o trabalho de nos fazer voltar ao normal” após a pandemia.

Mas a maioria dos economistas não vê um impacto de curto prazo na inflação por parte dos pacotes fiscais. Pode levar anos para que os projetos de infraestrutura afetem o preço dos transportes e outros custos, por exemplo. E o aumento do apoio da rede de seguridade social pode, entretanto, adicionar combustível à já forte demanda dos consumidores.

“Os gastos são direcionados para a frente”, disse Jason Furman, ex-assessor econômico sênior do governo Obama, que agora é professor da Universidade de Harvard.

PUBLICIDADE

A inflação pode aumentar em “alguns décimos de ponto percentual” no próximo ano, disse ele. A longo prazo, qualquer impacto da inflação seria “minúsculo” e poderia funcionar em qualquer direção.

Com o nível das folhas de pagamento americanas cerca de 4 milhões mais baixo hoje do que era antes da pandemia, o maior impacto sobre a inflação no próximo ano provavelmente será a rapidez com que as pessoas retornarão à força de trabalho, disse Furman. “A inflação neste momento é mais incerta do que em qualquer momento em muitas décadas. Estamos em uma situação tão sem precedentes que nossa maior lição do ano passado deve ser humildade em nossas previsões. "

Um democrata no Senado ainda indeciso, Joe Manchin, da Virgínia Ocidental, está preocupado o suficiente com a ideia de ter atrasado o projeto de lei de gastos sociais que a Casa Branca e os líderes do Congresso estão tentando aprovar. Ele ainda não se comprometeu a votar no pacote preliminar.

Os republicanos passaram meses concentrando seus esforços em atrasar o projeto de lei de alívio à pandemia dos democratas - assinado em março e custando US$ 1,9 trilhão - e o próximo plano de gastos sociais, considerando as iniciativas como inflacionárias.

PUBLICIDADE

Por enquanto, eles estão conseguindo ligar Biden ao aumento dos preços - um patamar baixo, já que os eleitores costumam culpar os presidentes pela inflação. Em meados de outubro, 62% dos americanos disseram que as políticas do presidente são responsáveis, de acordo com uma pesquisa da Politico/Morning Consult.

Os democratas estão agora em uma competição para mostrar aos eleitores que estão ganhando mais terreno com uma economia em crescimento e com a iniciativa Build Back Better de US$ 1,75 trilhão de Biden do que perdendo com o aumento dos preços.

Pode demorar um pouco para que os eleitores sintam o impacto de algumas iniciativas desse pacote, que ainda não foi aprovado pelo Congresso. Itens como a expansão do crédito tributário infantil colocam imediatamente dinheiro no bolso das pessoas, embora isso apenas continue um aumento de renda que as famílias com crianças vêm obtendo desde julho. Algumas outras peças de alto nível são mais complicadas.

Cindy Lehnhoff, diretora da National Child Care Association, um grupo comercial de creches privadas licenciadas, destacou a importância dos subsídios da legislação que limitam os custos de creche a 7% da renda para famílias que representam até 250% da renda média do estado, ou cerca de US$ 251 mil para uma família de quatro pessoas no estado de Nova York.

PUBLICIDADE

Mas primeiro o governo federal terá que criar regras e os estados precisarão elaborar seus próprios planos para o programa. Além dos motivos burocráticos para o atraso, as creches precisarão ampliar o quadro de funcionários.

“Acho que a maioria dos estados ainda estará em processo de planejamento, francamente, sobre como executar isso” no próximo outono, Lehnhoff disse. “Se eu estivesse concorrendo a um cargo público, não dependeria disso.”

--Com a assistência de Alex Tanzi e Devika Krishna Kumar.