PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Viagens

Brasileiros chegam hoje aos EUA no 1º voo após reabertura de fronteira

Voo SP-Atlanta da Delta será o 1º da companhia a pousar nos EUA depois do fim das restrições impostas pela pandemia da Covid-19

Delta Air Lines diz que 1º voo com brasileiros chega ao aeroporto de Atlanta no fim desta manhã, marcando a reabertura das fronteiras entre Brasil e EUA
08 de Novembro, 2021 | 09:13 am
Tempo de leitura: 4 minutos

São Paulo — O voo São Paulo-Atlanta será o primeiro da Delta Air Lines a pousar, nesta manhã, nos EUA depois da reabertura das fronteiras nesta segunda-feira (8). A companhia norte-americana informa que os passageiros brasileiros do voo DL106 vão pousar na capital da Geórgia sob as novas regras às 11h35 (horário de Brasília). Pelo site FlightAware, o internauta pode acompanhar, em tempo real, dados sobre a rota da aeronave desse voo.

Veja mais: Tudo que você precisa saber para viajar para os EUA no final do ano

A Delta registrou alta de 450% no número de reservas em pontos de venda internacionais no período de seis semanas desde o anúncio da reabertura, no último dia 20 de setembro. “Espera-se que muitos voos internacionais operem com 100% de sua capacidade nesta segunda-feira, com altas taxas de ocupação nas semanas seguintes”, diz.

A companhia acrescenta que a reabertura impacta positivamente 33 países em todo o mundo, com a Delta atendendo 10 deles com voos diretos e os demais por meio de seus hubs globais em conexão com seus parceiros, incluindo Air France, KLM e Virgin Atlantic. “A forte demanda se reflete em viajantes de lazer e negócios para destinos populares como Nova York, Atlanta, Los Angeles, Boston e Orlando”, detalha.

PUBLICIDADE

Veja mais: Brasil retomará liderança de voos para EUA na AL, diz American Airlines

A Delta afirma que vai operar139 voos a partir de 55 destinos internacionais em 38 países, que aterrissam nos EUA hoje, oferecendo mais de 25 mil assentos.

“Hoje é o início de uma nova era para as viagens e para muitas pessoas ao redor do mundo, que não conseguem ver seus entes queridos há quase dois anos”, disse o CEO da Delta, Ed Bastian, em comunicado.

“Embora tenhamos visto muitos países reabrir suas fronteiras para visitantes norte-americanos durante o verão (do Hemisfério Norte), nossos clientes internacionais não puderam voar conosco ou visitar os EUA. Tudo isso muda hoje. Agradecemos ao governo dos EUA por suspender as restrições de viagens e estamos ansiosos para reunir famílias, amigos e colegas nos próximos dias e semanas”, acrescentou.

PUBLICIDADE

Voos de inverno

A companhia avalia que, conforme a confiança das pessoas nas viagens retorna, a Delta está aumentando os voos neste inverno do Hemisfério Norte nas principais cidades europeias, incluindo Londres-Boston, Detroit e Nova York-JFK; Amsterdã-Boston; Dublin-Nova York-JFK; Frankfurt-Nova York-JFK; e Munique-Atlanta.

Atlanta, que tem o principal aeroporto da Delta, continua sendo o hub internacional mais movimentado da companhia, com 56 partidas diárias para 39 destinos internacionais. Ela é seguida de perto pela cidade mais visitada dos EUA, Nova York-JFK, que tem 28 partidas diárias para 21 cidades internacionais.

A reabertura também proporcionará um impulso para as economias globais, segundo a Delta. A companhia informou neste verão do Hemisfério Norte que seu segmento de lazer doméstico dentro dos EUA já se equiparou aos níveis de 2019, mas as restrições de fronteira em curso impediram uma recuperação significativa em todo o mundo.

“As viagens internacionais para os EUA contribuíram com US$ 234 bilhões em receitas de exportação para a economia local, geraram um superávit comercial de US$ 51 bilhões e mantiveram diretamente 1,2 milhão de empregos no país em 2019″, diz a Delta, citando dados da US Travel Association, associação que representa todos os componentes da indústria de viagens nos EUA.

Flórida

Já a Azul vai voltar a voar do aeroporto de Campinas (SP) para Orlando, destino bastante procurado pelos brasileiros na Flórida devido aos parques de diversões, no dia 1º de dezembro, em aeronaves modelo Airbus A33neo, com capacidade para até 298 passageiros. Serão até dois voos diários da Azul para os EUA, sendo um para Orlando e outro para Fort Lauderdale.

“Orlando é um dos destinos mais procurados em nossa malha. Voltaremos a operar já visando a alta temporada de férias escolares no Brasil, atendendo aos clientes que querem viajar novamente para fora do país. Nossa operação doméstica já está maior do que antes da pandemia e, embora entendamos que a malha internacional vai demorar mais um tempo para ser totalmente recomposta, a retomada de mais um destino e o incremento de novos voos para os EUA nos deixa ainda mais conectados e fortalecidos”, diz Abhi Shah, vice-presidente de receitas da Azul, em comunicado.

PUBLICIDADE

Neste mês da retomada dos voos para os EUA, a Latam está voando para Miami (3 voos por semana) e Nova York (3 voos por semana), com aeronaves saindo do aeroporto de Guarulhos (SP).

A American Airlines também aumentou as frequências do Brasil para os EUA. Desde o último dia 28 de outubro, a companhia passou a operar novas frequências de São Paulo (GRU) para Dallas/Fort Worth (DFW), Miami (MIA) e Nova York (JFK), e do Rio de Janeiro (GIG) para Miami - para Nova York só a partir de 17 de dezembro. As novas opções para os viajantes seguem em novembro e dezembro e vão até março de 2022.

Leia mais

Lisboa, a nova Miami europeia dos brasileiros

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.