PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Dólar vai a R$ 5,67 após Guedes admitir auxílio fora do teto; juro curto passa 10%

Moeda americana atinge maior cotação desde 9 de abril, quando foi negociada a R$ 5,68; mercado vê aumento maior na Selic

Dólar vai a R$ 5,67 com dúvida fiscal
21 de Outubro, 2021 | 10:24 am
Tempo de leitura: <1 minuto

São Paulo — O mercado de câmbio iniciou os negócios nesta quinta (21) com o dólar em forte alta após o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitir que estuda um “waiver” para acomodar o aumento do Auxílio Brasil fora do teto de gastos. A moeda americana chegou a ser negociada a R$ 5,667, com alta de 1,4%, na maior cotação deste 9 de abril. Pouco depois da 10h15, o dólar havia recuado para R$ 5,6422, com ganho de 0,8%.

No mercado de juros, as taxas curtas e longas têm forte alta, com a maioria dos vencimentos importantes acima de 10% ao ano, com exceção de janeiro de 2022, representando o aumento da percepção de risco do mercado em relação à trajetória fiscal.

PUBLICIDADE
  • Diante da tensão no mercado de juros, o Tesouro Nacional reduziu o volume de títulos prefixados em leilão nesta quinta;
  • A taxa do DI para janeiro de 2022 saltou de 7,632% para 7,94%, enquanto a de janeiro de 2023 subiu de 9,90% para 10,545%
  • A taxa do DI para janeiro de 2025 saltou de 10,90% para 11,44%, enquanto as para janeiro de 2027, um dos contratos mais longos com liquidez, foi de 11,27% para 11,75%
  • Curva de juros passou a precificar um aumento de 1,4 ponto na Selic, antes alta de 1,12 ponto na segunda-feira, segundo a Bloomberg News

Ontem, Guedes disse que o governo estuda pedir um “waiver” de R$ 30 bilhões, por um período temporário, para bancar o novo Auxílio Brasil de R$ 400.

  • Guedes afirmou que o governo decidiu desenhar o programa para atenuar os efeitos da inflação para a população de baixa renda. O ministro afirmou ainda que a formatação final do benefício ainda está em estudo. Uma parte do programa será temporário e outra, permanente.
  • O ministro disse ainda que não há fonte de recursos para o programa se tornar permanente sem a aprovação da reforma do Imposto de Renda. Segundo Guedes, a ala política vai decidir a forma de encaixar o programa social de R$ 400 no orçamento. Ele disse que “haverá crédito extraordinário ou revisão do teto”.
  • Para o ministro, cabe ao relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), viabilizar valor de R$ 400 para o benefício. “Se não conseguimos fazer um programa permanente, vamos para um transitório”, disse.

Leia também

Ação da Petrobras cai mais de 3% após PF deflagrar operação

Petróleo recua, mas receios com abastecimento de energia persistem

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.