A taxa de crescimento constante não impressiona, mas indica progresso
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — Eu estou otimista com relação ao México.

Pronto, falei. Sei que muitas pessoas veem o México como perigoso e corrupto, mas os fatos mais básicos são os mais importantes, principalmente para investidores e economistas: o México tem uma das maiores rendas per capita das economias emergentes, toma como base muitas culturas vibrantes e está localizado próximo aos Estados Unidos.

Se meu entusiasmo não é suficiente para também deixá-lo otimista com o México, ouça os muitos centro-americanos que dizem que o país está ficando muito parecido com os EUA, principalmente em termos de excesso de comercialização. Essa crítica é, por si só, uma evidência de progresso. O debate sobre o México nos EUA tende a focar nas diferenças entre os dois países. Uma perspectiva mais ampla é mais esclarecedora.

Agora, sobre o crime e a corrupção: segundo algumas estimativas, 20% do território mexicano é controlado por gangues de traficantes, e o país tem alto índice de homicídios. Esses problemas não desaparecerão totalmente apenas porque refletem a demanda por drogas no país vizinho ao norte do México.

Mas provavelmente ficarão mais manejáveis. À medida que o México fica mais rico, os governos federal e estadual poderão estabelecer maior controle sobre o território. E embora os EUA não possam controlar muitos eventos no México de maneira útil, seu apoio financeiro ao governo mexicano proporciona estabilidade.

PUBLICIDADE

Veja mais: México volta a exigir visto de turista brasileiro

O governo do México também é notoriamente corrupto e, atualmente, tem líderes populistas e especificamente irresponsáveis. Isso também deve melhorar com o aumento da capacidade do governo. No momento, a classe média do México exerce o voto e espera algo em troca dos impostos que paga.

Enquanto isso, existem motivos para o otimismo quanto ao México no momento. Um deles é que a globalização econômica foi, de certa forma, interrompida e, em algumas áreas, até mesmo revertida. À medida que os americanos deixam de confiar nas cadeias de suprimento da China, a economia do México vai aproveitar. O México também é o fornecedor natural de funcionários com salários mais baixos para a indústria norte-americana (o principal problema a esse respeito é que os salários não são mais tão baixos, mas isso também reflete seu progresso).

E se o turismo na Ásia e na Europa continuar difícil ou inconveniente, os americanos visitarão mais o México e se acostumarão a passar férias em outros lugares além de Cancún. Alguns desses hábitos provavelmente se tornarão permanentes.

PUBLICIDADE

O México, assim como a maioria da América Latina, também tem um cenário de startups em expansão, principalmente nas áreas de em comércio eletrônico e fintech. A Cidade do México pode acabar se tornando a capital da tecnologia da América Latina. Isso ajudaria em um dos problemas econômicos crônicos do México: as pequenas empresas, que decidem permanecer pequenas para escapar das regulamentações e impostos. Em contrapartida, as startups de tecnologia de sucesso podem escalar mais facilmente e enfrentar menos regulamentações, em média, do que as empresas de manufatura.

Veja mais: México fica para trás em vacinação na AL após liderar campanha

Outro motivo para o otimismo com o México: dados recentes mostram que os imigrantes latinos nos EUA se adaptam muito bem. Muitos deles têm herança mexicana e podem ser uma fonte de capital de negócios e colaborações para o próprio México. Eles também são um lembrete constante de que prosperar é possível – não apenas para americanos de herança angla.

Eu viajo para o México há quase 40 anos, e cada vez que eu visito o país, ele parece estar melhor. A prosperidade parece ser mais ampla, o que diminui o grau de segregação racial e pela cor da pele no país.

E, ao contrário de grande parte do mundo, o México não enfrenta problemas de segurança nacional por possivelmente invadir ou atacar rivais. Essa vantagem pode ter uma importância cada vez maior, já que os concorrentes do México têm de lidar com problemas da China, Rússia ou de outras fontes.

PUBLICIDADE

Muitos investidores e economistas foram ferrenhamente pessimistas com o México pois o país não cresceu no mesmo ritmo da China. Neste momento, é melhor aceitar que isso provavelmente nunca vai acontecer. No entanto, muitos dos países mais bem-sucedidos do mundo, como a Dinamarca, nunca tiveram grandes surtos de crescimento como a China. Em vez disso, esses países tiveram um ritmo constante de crescimento, até com algumas grandes quedas.

O México, com suas fortes conexões com os EUA, está bem posicionado para alcançar esse tipo de estabilidade de crescimento nas próximas décadas. Ao contrário da década de 1980, o banco central mexicano é dirigido por tecnocratas bem-educados. Mesmo durante a pandemia, que atingiu em cheio a economia do México, as classificações de crédito permaneceram aceitáveis.

Veja mais: Startup de cashback do México levanta US$ 2,8 mi em rodada liderada pela ALLVP

O México se tornar uma Dinamarca parece até uma das minhas declarações deliberadamente paradoxais. Por mais implausível que pareça, no entanto, é uma afirmação que pode finalmente estar se tornando realidade.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

PUBLICIDADE

Tyler Cowen é colunista da Bloomberg Opinion. É professor de economia na George Mason University e escreve para o blog Marginal Revolution. Um de seus livros publicados é Big Business: A Love Letter to an American Anti-Hero

Veja mais em Bloomberg.com