Brasil

Estas são as cidades onde o custo de vida ficou mais caro do que no resto do país

Spoiler: São Paulo, Rio e Salvador tiveram uma inflação menor que a média nacional nos últimos 12 meses, mas ainda, assim, os preços têm subido forte

As duas capitais que mais vêm acumulando estoque de inflação
08 de Outubro, 2021 | 11:29 am
Tempo de leitura: 1 minuto
Últimascotações

Ausente desde 2016, a inflação voltou a ultrapassar dois dígitos em 12 meses na medição do IBGE neste mês de setembro: 10,25% no país. Os drives que empurraram a pressão inflacionária para o seu pior momento nos últimos anos são conhecidos: energia elétrica (6,47% no mês) – em setembro, passou a valer a bandeira escassez hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos – e o gás de cozinha (3,91% no mês e 34,67% nos últimos 12 meses).

Mas, segundo os dados do IBGE, nem todos os brasileiros sentem os efeitos da inflação da mesma forma. Além do óbvio recorte social, pessoas no topo da pirâmide social não são afetadas pela alta dos alimentos ou de insumos residenciais da mesma forma do que os mais pobres, a inflação é pior em algumas regiões do país do que em outras.

Veja mais: IPCA avança 1,16% em setembro e ultrapassa dois dígitos em 12 meses

O gráfico abaixo traz os dados da inflação acumulada nos últimos 12 meses nas capitais em que é feita a pesquisa do IBGE. O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília, no Distrito Federal.

PUBLICIDADE

Registraram inflação maior que a média nacional nos últimos 12 meses as seguintes cidades:

Curitiba (PR): 13,01%

Curitibadfd

Rio Branco (AC): 12,37%

Rio Brancodfd

Vitória (ES): 11,52%

Vitóriadfd

Também subiram acima da média nacional (10,25%) nos últimos 12 meses os custos para viver seguintes capitais:

Porto Alegre (RS): 11,35%

São Luís (MA): 11,27%

Campo Grande (MS): 11,25%

PUBLICIDADE

Fortaleza (CE): 11,19%

Belo Horizonte (MG): 10,30%

Goiânia (GO): 10,29%

Ficaram abaixo da média nacional nos últimos 12 meses:

Recife: 10,00%

Belém: 9,86%

PUBLICIDADE

São Paulo: 9,73%

Salvador: 9,54%

Aracaju (SE): 9,29%

Rio de Janeiro (RJ): 8,74%

PUBLICIDADE

Leia também:

Brasília em Off: Ataque de Lira à Petrobras tem outro alvo

Ibovespa dispara, descolado do exterior, com blue chips em alta


PUBLICIDADE




Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE