Negócios

Cade declara complexa proposta de compra da Suez pela Veolia

Grupos franceses têm 15 dias para apresentar mais informações sobre operação; Suzano cita preocupações com união

Cade decidir aprofundar análise sobre proposta de compra da Suez pela Veolia
08 de Outubro, 2021 | 10:19 am
Tempo de leitura: 4 minutos

São Paulo — A Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) declarou “complexa” a proposta de aquisição do controle da Suez pela Veolia, duas das maiores empresas de água e saneamento do mundo, sediadas na França. A autoridade da concorrência decidiu efetuar novas diligências para aprofundar a análise do caso e deu um prazo de 15 para as companhias apresentarem as eficiências econômicas geradas pela operação, a contar da data de publicação do despacho no Diário Oficial da União, ocorrida ontem (7).

Veja mais: Veolia inicia produção de energia com biogás em três aterros sanitários no Brasil

“Foram constatados elevados níveis de concentração detidos pelas partes nos seguintes mercados: (a) serviços de engenharia, compras e construção (EPC) para plantas industriais onshore de tratamento de água (Brasil); e (b) serviços de engenharia, compras e construção (EPC) para plataformas de tratamento de água offshore (Brasil e mundo)”, diz a nota técnica do Cade.

O relatório acrescenta que os dois grupos já constituem “players de grande relevância, de modo que a presente operação ensejaria a criação de uma empresa com significativo market share conjunto” e que “há dúvidas sobre a existência de rivalidade efetiva e sobre a capacidade de contestação do poder de mercado” das empresas por parte dos rivais já estabelecidos.

PUBLICIDADE

Nesse aspecto, o Cade destacou o segmento de EPC para plantas industriais onshore de tratamento de água. “Constatou-se que grande parte dos rivais das incumbentes constituem players de menor expressividade”. A autoridade da concorrência também viu que a união entre Veolia e Suez pode liminar o ingresso de novos players no mercado, já que as duas são “detentoras de condições técnicas e financeiras e uma estrutura geral superiores às dos demais competidores do mercado”.

Veja mais: Governo de SP vai contratar consultoria para modelar privatização da Sabesp

No Brasil, o Grupo Veolia atua nas áreas de serviços ambientais (tais como serviços de tratamento de água e esgoto), tratamento e descarte de resíduos. Já a Suez opera principalmente no fornecimento de soluções para gestão de recursos hídricos, atendendo clientes que necessitam de soluções de gerenciamento de recursos hídricos, gerenciamento, tratamento e recuperação de águas residuais, produtos químicos e equipamentos, entre outras atuações.

Entre as principais justificativas econômicas apresentadas pela Veolia ao Cade para a realização da aquisição, estão fortalecer globalmente as atividades do grupo em serviços ambientais, permitir à companhia enfrentar a concorrência crescente dos players asiáticos, criar valor para seus acionistas e sinergias operacionais e de compras, além de acelerar o desenvolvimento de soluções tecnológicas.

PUBLICIDADE

Suzano

A Suzano, empresa dos setores de papel e celulose, participa, desde junho, como terceiro interessado no Ato de concentração nº 08700.002455/2021-17, na qualidade de “cliente recorrente de produtos e serviços afetados pela operação”, contribuindo com o trabalho de avaliação do Cade. A companhia destacou pontos de preocupação com os impactos da união entre os dois grupos franceses.

“Os processos licitatórios públicos ou privados que exigem grande especialidade técnica, tecnológica e capacidade financeira - a exemplo dos processos para contratação de serviços de EPC para plantas industriais onshore de tratamento de água - resultam em número pequeno e constante de players aptos a concorrem nos certames. Tal situação pode eventualmente gerar estruturas e incentivos para a coordenação expressa ou tácita entre os agentes econômicos”, cita nota técnica do Cade, no último dia 11 de junho.

A Suzano é cliente de serviços de EPC para plantas industriais onshore de tratamento de água, serviços de operação e manutenção (O&M) para plantas de tratamento de águas residuais, soluções móveis de tratamento de água e de produtos químicos para tratamento de água.

Concessões municipais

Em abril, quando foi anunciada a aquisição global da Suez, o presidente da Veolia no Brasil, Pedro Prádanos Zarzosa, disse que o grupo francês se preparava para voltar a investir no mercado de água e esgoto no Brasil, tendo no radar as concessões estruturadas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e contratos municipais, segundo informou em entrevista ao jornal Valor, publicada no dia 15 de abril. O interesse da Veolia em concessões no Brasil se deve à aprovação do novo marco legal do setor, embora Zarzosa ponderasse que ainda havia incertezas regulatórias.

“Estamos ansiosos [com união com a Suez]. No Brasil, são companhias complementares Na área de serviços, a Veolia atua principalmente em resíduos, e a Suez, em água. Na área de obras, as empresas atuam em diferentes áreas”, disse Zarzosa.

A companhia possui seis aterros sanitários, sendo um deles o Centro de Disposição de Resíduos (CDR) Pedreira, que atende à capital de São Paulo, estado onde também tem unidades em Iperó e Araçariguama. Há também outros três aterros em Santa Catarina (Biguaçu, na Grande Florianópolis, Blumenau e Brusque). Na região Sul, a Veolia também chegou a ser sócia minoritária na Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná), mas deixou o negócio em meio a uma disputa com o governo paranaense.

PUBLICIDADE

Leia também

UE estuda compras conjuntas de gás natural para aliviar crise

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE