PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Syngenta coloca à venda unidade de mudas e sementes de SP

Complexo industrial em Itápolis foi disponibilizado em uma plataforma on-line de leilões, com pedido inicial de R$ 21 milhões

Empresa controlada pela chinesa ChemChina coloca à venda unidade no interior de São Paulo por R$ 21 milhões
07 de Outubro, 2021 | 09:09 am
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — Em meio à falta de insumos para a agricultura no Brasil, a Syngenta, multinacional de sementes e defensivos controlada pela chinesa ChemChina, colocou à venda sua unidade instalada em Itápolis, no interior de São Paulo.

O complexo industrial de 488 mil metros quadrados, utilizado para o desenvolvimento de mudas inclui uma biofábrica, com capacidade para produzir 15 milhões de mudas por ano, prédios administrativos, galpões, uma área in-vitro de 700 metros quadrados e outras construções de apoio.

A biofábrica, utilizada para a produção de mudas de cana-de-açúcar, foi inaugurada em 2012, com investimento de US$ 100 milhões para ter capacidade de produzir 3,6 milhões de mudas. À época, o potencial de receita anunciado do negócio foi de US$ 500 milhões.

Veja mais: Brasil pode sofrer “apagão” de insumos na próxima safra

PUBLICIDADE

A unidade foi colocada à venda em uma plataforma on-line de leilões do grupo Superbid, com pedido inicial da empresa no remate foi de R$ 21 milhões. A expectativa é que a unidade possa ser utilizada para produção de mudas de cana-de-açúcar, café, flores, batata e banana ou mesmo para outras finalidades, considerando a estrutura industrial já instalada.

Além da fábrica de Itápolis, a Syngenta possui outra em Paulínia, também no interior de São Paulo. Além disso, a empresa tem seis estações experimentais, instaladas em Uberlândia (MG), Cascavel (PR), Rio Verde (GO), Holambra (SP), Aracati (CE) e Lucas do Rio Verde (MT). Possui ainda três unidades de beneficiamento de sementes, em Ituiutaba (MG), Matão (SP) e Formosa (GO).

Procurada, a empresa informou que não poderia comentar o assunto por estar em período de silêncio. A Syngenta está em processo de abertura de capital na bolsa de Xangai, onde pretende levantar US$ 10 bilhões em sua oferta pública de ações, ainda neste ano, quando venderá 20% de seu capital.

A ChemChina comprou a Syngenta em 2017 por US$ 43 bilhões. Após a aquisição, o grupo chinês fez uma reorganização de suas operações, colocando sob a Syngenta Group outros negócios sob seu controle. Ficaram no novo grupo as operações de defensivos da israelense Adama e as operações de sementes e fertilizantes da SinoChem.

PUBLICIDADE

Leia também

Frete marítimo deve normalizar em 2022, diz CEO da Maersk para AL


Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.