PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Presidente do Peru troca primeiro-ministro de esquerda após disputa com Congresso

Governo busca um ambiente político mais estável após três meses de disputas com oposição e setor privado

Presidente Pedro Castillo faz mudanças no governo
Por María Cervantes
06 de Outubro, 2021 | 09:31 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente do Peru, Pedro Castillo, se movimentou para apaziguar os críticos conservadores, anunciando planos para substituir seu primeiro-ministro considerado radical, enquanto busca um ambiente político mais estável após três meses de disputas com o Congresso.

Guido Bellido, visto como mais à esquerda dentro do governo de Castillo, tinha críticos acusando-o de simpatizar com terroristas marxistas. Um novo gabinete será empossado após a saída de Bellido, disse Castillo em um discurso em vídeo, sem dizer quem assumirá o cargo de primeiro-ministro.

PUBLICIDADE

“É hora de colocar o Peru acima de qualquer ideologia e posições partidárias isoladas”, disse o presidente, acrescentando que a decisão de substituir seu primeiro-ministro visa alcançar mais “governabilidade”.

O anúncio marca a segunda saída de políticos de alto nível do gabinete de Castillo apenas alguns meses após chegar à presidência, depois que o ex-ministro das Relações Exteriores Hector Bejar renunciou em meio a críticas por seu apoio a Cuba e um vídeo no qual ele defendia teorias da conspiração. Ambos os ministros pareciam cada vez mais fora de contato com Castillo quando ele prometeu uma abordagem pragmática de construção de consenso nas negociações com o setor de energia e outros segmentos que são críticos da condução da economia do país.

“As mudanças parecem destinadas a proporcionar mais tranquilidade aos mercados”, disse Jose Alejandro Godoy, professor de ciências sociais e políticas da Universidade Pacifico. “Teremos um gabinete que se engaja em mais debates, é mais aberto à discussão, mais próximo de uma esquerda moderada.”

PUBLICIDADE

Bellido ameaçou nacionalizar o maior campo de gás do Peru no mês passado, comentário que outros membros do governo tentaram abafar nos dias seguintes. Bellido disse em uma entrevista no final de setembro que o governo consideraria ativar um mecanismo constitucional conhecido como voto de confiança, que poderia levar a novas eleições para a câmara unicameral no país.

“O voto de confiança, a interpelação e a censura não devem ser usados para criar instabilidade política”, disse Castillo em seu discurso, em uma repreensão velada a Bellido. “Ratificamos o compromisso do Peru com o investimento privado.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Boeing vê recuperação como impulso de mercado de US$ 9 trilhões

Bloomberg Línea lança lista com os 500 mais influentes da América Latina