Mercados

Resultados eleitorais não ajudam títulos da Argentina

Títulos sentiram o impacto das políticas econômicas populistas de Fernández, registrando um dos piores desempenhos do mundo desde as eleições

Somando-se ao pessimismo do mercado está a falta de eventos no horizonte que poderiam fornecer algum alívio antes das eleições gerais em 2023
Por Scott Squires
04 de Outubro, 2021 | 01:58 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As eleições primárias da Argentina trouxeram os resultados que investidores esperavam, enviando um forte alerta ao presidente Alberto Fernández e às políticas econômicas de seu governo.

Foi exatamente o que operadores, que haviam impulsionado os títulos soberanos para uma máxima de nove meses antes das eleições, previam: uma derrota tão ampla que certamente levaria Fernández a finalmente deixar de lado políticas fracassadas dos radicais da Argentina e se voltar para a ortodoxia econômica nos últimos dois anos de seu governo.

No entanto, o presidente argentino parece ir na direção oposta.

Logo após o resultado negativo há duas semanas, Fernández fez mudanças no ministério substituindo alguns dos mais moderados. Prometeu aumentar gastos sociais antes das eleições de novembro que decidirão o controle das duas casas do Congresso. E elevou a impressão de dinheiro para pagar todas essas contas, medida que pode acelerar ainda mais a inflação já em 50%.

PUBLICIDADE

Veja mais: Argentina ajuda Brasil a importar GNL em meio à forte demanda

Os títulos sentiram o impacto das políticas econômicas populistas de Fernández, registrando um dos piores desempenhos do mundo desde as eleições e causando perdas aos investidores acima de 3%. Recentemente, os preços caíram para cerca de 30 centavos de dólar, o menor nível desde julho, devido à preocupação de que os maiores gastos deteriorem ainda mais as já precárias finanças da Argentina, prejudiquem a moeda e acabem levando a outro default multibilionário, o quarto do país neste século.

Somando-se ao pessimismo do mercado está a falta de eventos no horizonte que poderiam fornecer algum alívio antes das eleições gerais em 2023. Um acordo para reprogramar o crédito de US$ 45 bilhões da Argentina com o Fundo Monetário Internacional já teria sido um fator positivo. Mas as negociações serão complicadas pela insistência de Fernández em gastos populistas, o que esvaziará as já baixas reservas líquidas da Argentina até o fim do ano, de acordo com Mauro Roca, diretor-gerente de mercados emergentes da TCW Group, em Los Angeles.

“O governo de Alberto Fernández está praticamente apostando a casa nas eleições de meio de mandato”, disse Roca, que administra US$ 17 bilhões em ativos de mercados emergentes. “Haverá retorno para essas políticas na forma de inflação, e as negociações com o FMI ocorrerão em condições ainda piores do que as que vemos agora.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Opep+ avalia plano de produção em momento de controle do mercado

PUBLICIDADE