Saúde

Cientistas da Califórnia dividem Nobel por trabalho sobre o tato

Estudos identificaram elos essenciais para ajudar a entender a interação entre nossos sentidos e o ambiente

David Julius, professor da University of California, em São Francisco, e Ardem Patapoutian, biólogo molecular e neurocientista da Scripps Research, em La Jolla, Califórnia, dividirão o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (US$ 1,1 milhão)
Por Marthe Fourcade
04 de Outubro, 2021 | 06:40 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Dois cientistas da Califórnia ganharam o Prêmio Nobel de medicina pelo trabalho sobre como o corpo humano sente a temperatura por meio do toque. A descoberta pode ter aplicações desde o controle da dor até a realidade virtual.

David Julius, professor da University of California, em São Francisco, e Ardem Patapoutian, biólogo molecular e neurocientista da Scripps Research, em La Jolla, Califórnia, dividirão o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (US$ 1,1 milhão).

Os cientistas identificaram elos essenciais que faltavam para ajudar a entender a interação entre nossos sentidos e o ambiente, é o que afirma a Academia Real de Ciências da Suécia. O conhecimento está sendo usado para desenvolver tratamentos para uma ampla gama de problemas de saúde, incluindo dores crônicas. Também pode ajudar a transformar a realidade virtual em uma experiência tátil.

Julius usou um composto de pimenta, que induz a uma sensação de queimação, para identificar um sensor nas terminações nervosas da pele, que responde ao calor. Patapoutian usou células sensíveis à pressão para descobrir uma nova classe de sensores, que respondem a estímulos mecânicos na pele e em órgãos internos.

PUBLICIDADE

“Isso realmente desvela um dos segredos da natureza”, disse Thomas Perlmann, secretário-geral da Assembleia do Nobel. “É uma descoberta muito importante e profunda.

Os prêmios anuais para grandes realizações em física, química, medicina, paz e literatura foram estabelecidos no testamento de Alfred Nobel, o inventor sueco da dinamite, que morreu em 1896. O prêmio em ciências econômicas foi adicionado pelo Banco Central da Suécia, em 1968.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Uma semana com três dias úteis? Startup faz o teste

PUBLICIDADE