Estilo de vida

Uma semana com três dias úteis? Startup faz o teste

Estratégia é forma de atrair talentos em meio à escassez de candidatos e aumento dos salários

Com a saturação de empresas no setor, a decorrente escassez de candidatos afetou a capacidade de contratação, o que levou os empreendimentos a buscarem alternativas para atrair talentos
Por Saritha Rai
04 de Outubro, 2021 | 01:35 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A escassez de talentos em tecnologia fez com que as empresas indianas oferecessem benefícios como mais tempo de férias e licença parental neutra em relação ao gênero enquanto competem por profissionais recém-formados e experientes. Uma startup de Bangalore está implementando uma solução mais dramática: uma semana de trabalho de três dias.

A fintech Slice está oferecendo aos novos funcionários uma semana com três dias úteis e salário de 80% do valor de mercado. Esta abordagem, na qual todos saem ganhando, libera os trabalhadores para focar em outras paixões ou interesses – ou outros trabalhos – enquanto ainda recebem um pagamento estável e benefícios da Slice, disse Rajan Bajaj, fundador da empresa.

“Este é o futuro do trabalho”, disse Bajaj, de 28 anos em entrevista por telefone. “As pessoas não querem ficar presas a um só emprego”.

Os investidores globais estão injetando bilhões de dólares em startups de tecnologia da Índia, pressionando os empreendedores a aumentarem as equipes. Uma enorme escassez de talentos chegou à medida que as contratantes de profissionais de TI, gigantes do Vale do Silício, varejistas globais e centros de tecnologia de bancos de Wall Street competem por talentos em engenharia e produtos juntamente com centenas de startups em rápido crescimento.

PUBLICIDADE

A Slice aposta que a estratégia vai destacá-la entre os concorrentes. A empresa tem 450 funcionários e deseja recrutar mil engenheiros e gerentes de produto nos próximos três anos.

“É o melhor dos dois mundos”, disse Bajaj. “Os trabalhadores podem receber salário e benefícios trabalhando três dias na semana e passar o resto do tempo seguindo um sonho de uma startup, procurando um cofundador ou uma paixão pessoal.”

A tendência das semanas de trabalho mais curtas está em andamento há pelo menos um século. Em 1926, Henry Ford adotou uma semana de trabalho de cinco dias em vez de seis depois que experimentos constataram que a produtividade não seria afetada como resultado. Empresas e países já testaram o modelo de uma semana de quatro dias há anos, porém sem uma adoção generalizada.

Veja mais: Trabalho excessivo? Uma semana de quatro dias úteis poderia funcionar

PUBLICIDADE

Os defensores das semanas mais curtas agora apontam estudos que mostram aumento na produtividade e no bem-estar dos funcionários, levando países como a Irlanda e a Islândia a testar a estratégia. A gigante da tecnologia Amazon implementou uma semana de quatro dias para funcionários selecionados em 2018, e até mesmo a China está tentando controlar suas horas de trabalho excessivas.

Assim como no Vale do Silício, a cultura centrada no trabalho da indústria de startups da Índia está deixando alguns engenheiros desencantados, ao passo que outros aproveitam a oportunidade. Os salários dos engenheiros triplicaram nos últimos três anos, disse Bajaj. As batalhas entre as empresas são comuns, e os funcionários costumam ignorar as startups após diversas negociações de salário. Os fundadores brincam nas redes sociais sobre anunciar vagas em aplicativos de relacionamento e aplicativos de delivery de alimentos para recrutar funcionários.

Eu adoro como os candidatos sempre “vão para um lugar ermo sem Internet” logo após receberem a oferta de salário e ficam impossibilitados de responder por uma semana.

A bonança de contratações é tanta que Bhavish Aggarwal, fundador da startup de compartilhamento de caronas Ola e da startup de carros elétricos Ola Electric Mobility, publicou recentemente no Twitter que estava pensando em terceirizar o trabalho para um destino mais barato – a área da Baía de São Francisco.

Situação de contratação de profissionais de engenharia em Bangalore: estou pensando em transferir algumas funções para um centro de custo mais baixo na área da Baía de São Francisco

Cheias de capital, as startups também estão gastando em outras iniciativas para atrair engenheiros e designers. A plataforma de comércio social Meesho anunciou férias coletivas de 10 dias para toda a empresa em novembro para que os trabalhadores possam se desconectar e revigorar. A fintech BharatPe ofereceu produtos de referência como motos BMW, gadgets e viagens de férias em Dubai.

PUBLICIDADE

Veja mais: App ‘compre agora, pague depois’ atrai millennials e Geração Z

A Slice começou a oferecer sua opção de três dias de trabalho na segunda-feira (4) e aposta que o momento é oportuno: milhões de engenheiros se preparam para voltar ao trabalho presencial, após quase dois anos confinados a trabalhar em casa.

A startup, fundada em 2016, é especializada na oferta de cartões de crédito para jovens indianos. Seu cartão foi lançado em 2019, quando a empresa anunciou cadastros que levavam menos de um minuto, cashbacks e várias opções de pagamento. A Slice emitiu 110 mil cartões mês passado, tornando-se uma das principais operadoras do país. Seus patrocinadores incluem a Gunosy Capital, do Japão, e a Blume Ventures, da Índia.

Os novos funcionários formarão pequenas equipes e trabalharão em novos produtos de criptomoedas e “compre agora, pague depois”. Os funcionários existentes são elegíveis para o programa “desde que sejam adequados a ele”, disse Bajaj. “Uma semana de trabalho de três dias nos permite recrutar um certo calibre de talento porque é uma vantagem que grandes empresas de tecnologia como o Google e Amazon não oferecem”, afirmou.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Opep+ avalia plano de produção em momento de controle do mercado


PUBLICIDADE