Internacional

China promete frear ‘expansão desordenada’ de empresas tech

País mira mais medidas para controlar empresas de internet, disseram fontes

Juegando en el teléfono
Por Bloomberg News
27 de Setembro, 2021 | 10:14 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A China planeja adotar outras medidas para controlar empresas de Internet, disse uma autoridade que supervisiona o ciberespaço, citando como áreas de preocupação a economia compartilhada, saúde online e entrega inteligente.

Durante a Conferência Mundial da Internet, o vice-ministro Sheng Ronghua disse na segunda-feira que coibir o comportamento monopolista e a “expansão desordenada do capital” são as maiores prioridades da Administração do Ciberespaço da China. Sheng também destacou veículos autônomos e economia de plataformas como segmentos que exigem maior regulamentação.

“Precisamos construir uma base legal sólida para os esforços antimonopólio e evitar a expansão desordenada do capital”, disse Sheng na conferência anual em Wuzhen, na província de Zhejiang. “Também será construído um sólido mecanismo de gerenciamento e negociação de dados.”

Os comentários de Sheng sugerem que o controle pode atingir mais empresas. A regulamentação da economia compartilhada ou aplicativos de entrega inteligente podem impactar a Meituan, por exemplo, enquanto a Baidu tem projetos de direção autônoma e Alibaba Health Information Technology e JD Health International atuam no segmento de saúde online.

PUBLICIDADE

Veja mais: Crise de energia na China ameaça novo choque após Evergrande

A conferência Wuzhen foi iniciada pelo presidente Xi Jinping para apresentar a globalização do setor digital da China, e a abertura no domingo teve a participação de Elon Musk, fundador da Tesla, e dos CEOs da Intel, Qualcomm, Cisco Systems e Nokia. Em comentários transmitidos ao evento pelo vice-premiê Liu He, Xi disse que a China trabalhará com todos os países para criar uma economia digital vibrante e melhorar a regulamentação.

Desde quando foi citada pela primeira vez em público pelo Politburo (órgão decisório do Partido Comunista) em dezembro, a frase “expansão desordenada de capital” passou de uma crítica a empresas de plataformas a uma explicação para medidas contra magnatas da tecnologia, celebridades e provedores de aulas particulares. As declarações de Sheng podem diminuir o otimismo de que Xi esteja buscando aliviar a repressão que agita o mercado, depois de citar “resultados iniciais” no mês passado sobre a campanha para disciplinar esse capital.

A China intensificou a campanha com uma série de investigações sobre práticas monopolistas por empresas de Internet, uma multa recorde contra o Alibaba Group e novas demandas para empresas digitais líderes, como Tencent. O país tem pressionado titãs de tecnologia a compartilharem bancos de dados, abrirem plataformas para maior competição e apoiarem oportunidades para empresas menores.

PUBLICIDADE

“Buscamos melhorar as regulamentações para a economia compartilhada e economia de plataformas para garantir seu crescimento saudável”, disse Sheng. “Também buscamos criar marcos para a gestão das áreas de direção autônoma, assistência médica online e entrega inteligente.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Cinco assuntos quentes para o Brasil nesta semana