PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Crise de energia na China ameaça novo choque após Evergrande

Uma série de empresas começam a informar a bolsa de valores que receberam ordens para conter ou interromper as atividades para conter o consumo de energia

Racionamento de energia pode afetar cadeias de produção no país
Por Bloomberg News
26 de Setembro, 2021 | 09:25 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A China pode estar mergulhando de cabeça em um choque no fornecimento de energia que pode atingir duramente a maior economia da Ásia no momento em que a crise da incorporadora Evergrande sacode o sistema financeiro local.

O racionamento ao consumo de energia está sendo impulsionada pelo aumento da demanda por eletricidade e pelo crescentes preços do carvão e do gás, bem como por metas rígidas de Pequim para reduzir as emissões. Ele está chegando primeiro às gigantescas indústrias manufatureiras do país: de fundições de alumínio a produtores de têxteis e plantas de processamento de soja, as fábricas estão recebendo ordens para conter a atividade ou - em alguns casos - são fechadas por completo.

Quase metade das 23 províncias da China não cumpriram as metas de economia de energia estabelecidas por Pequim e agora estão sob pressão para conter o uso de energia. Entre as mais atingidas estão Jiangsu, Zhejiang e Guangdong - um trio de potências industriais que respondem por quase um terço da economia chinesa.

“Com a atenção do mercado agora focada na Evergrande e nas restrições sem precedentes de Pequim ao setor imobiliário, outro grande choque do lado da oferta pode ter sido subestimado ou mesmo perdido”, alertaram analistas da Nomura Holding Inc., incluindo Ting Lu, em nota, prevendo que a economia da China vai encolher neste trimestre.

PUBLICIDADE

O agravamento da crise de energia na China - talvez ofuscado pela dúvida sobre se Evergrande vai dar um calote em suas dívidas gigantescas - reflete o fornecimento de eletricidade extremamente apertado em todo o mundo que já prejudica os mercados na Europa. A recuperação econômica após as restrições pela Covid impulsionou a demanda de famílias e empresas, pois o menor investimento no setor restringe a produção.

Mas a crise energética da China é parcialmente causada por ela mesma, já que o presidente Xi Jinping tenta mostrar nas Olimpíadas de Inverno em Pequim em fevereiro próximo que leva a sério a descarbonização da economia.

A economia corre o risco de uma grave escassez de carvão e gás - usados para aquecer residências e fábricas de energia - neste inverno. O país teve que racionar energia nos meses mais frios, mas nunca teve que fazer isso com os preços globais desses combustíveis nos níveis que estão agora.

Preços elevados

PUBLICIDADE

Os contratos futuros de carvão para aquecimento da China mais do que quadruplicaram no mês passado, quebrando novos recordes continuamente, já que as preocupações com a segurança de minas e a poluição restringem a produção doméstica, enquanto continua a proibir os embarques do principal fornecedor, a Austrália. Enquanto isso, os preços do gás natural da Europa para a Ásia subiram pela sazonalidade, à medida que os países tentam superar os outros por ofertas que se esgotam rapidamente.

Em picos de consumo no inverno anterior na China, muitos recorreram a geradores a diesel para suprir a falta de energia da rede elétrica. Este ano, o perigo é que as políticas governamentais limitaram ainda mais o potencial da geração de energia de aumentar a produção para atender ao aumento da demanda, disse Zeng Hao, especialista-chefe da consultoria Shanxi Jinzheng Energy.

A Yunnan Aluminium Co., uma produtora de US$ 9 bilhões do metal usado em tudo, de carros a latas de refrigerante, reduziu a produção devido à pressão de Pequim. O choque também está sendo sentido no gigante do setor de alimentos da China. Os britadores de soja, que processam a colheita em óleos comestíveis e ração animal, foram obrigados a fechar esta semana na cidade de Tianjin.

De acordo com a Nikkei, fornecedores da Apple Inc. e Tesla Inc. interromperam a produção em algumas de suas fábricas na China no domingo. As instalações da Foxconn em Longhua, Guanlan, Taiyuan e Zhengzhou - o maior complexo de fabricação de iPhone do mundo - não foram afetadas pelas restrições de fornecimento de energia, disse o relatório.

Uma série de empresas menores também estão começando a informar a bolsa de valores que receberam ordens para conter ou interromper as atividades. Embora possam ser ignorados por grandes investidores estrangeiros que não cobrem essas empresas, o resultado final pode ser uma escassez de tudo, desde têxteis a componentes eletrônicos, que podem complicar as cadeias de abastecimento e consumir os lucros de uma série de empresas multinacionais.

Em Jiangsu, uma província perto de Xangai com uma economia quase tão grande quanto a do Canadá, siderúrgicas fecharam e algumas cidades estão desligando as luzes das ruas. Na vizinha Zhejiang, cerca de 160 empresas com uso intensivo de energia, incluindo empresas têxteis, foram fechadas. Enquanto em Liaoning, no extremo norte, 14 cidades ordenaram cortes de energia de emergência que foram atribuídos em parte aos preços do carvão em alta.

PUBLICIDADE

“As restrições de energia vão se espalhar e impactar os mercados globais”, disse Ting da Nomura. “Muito em breve os mercados globais sentirão o aperto de uma escassez de oferta de têxteis, brinquedos a peças de máquinas.”

Os cortes são uma nova ameaça para uma economia que enfrenta múltiplas pressões após uma recuperação em forma de V no ano passado. E, como acontece com os cortes de energia na Europa, o aperto representa um desafio para os formuladores de políticas: como perseguir objetivos ambientais sem prejudicar as economias ainda frágeis. Pequim tem como meta um crescimento de 6% para o ano inteiro, após uma expansão de 12,7% no primeiro semestre.

“Os formuladores de política parecem estar dispostos a aceitar um crescimento mais lento no restante deste ano para cumprir a meta de emissões de carbono”, disse Larry Hu, chefe de economia da China no Macquarie Group. “A meta de PIB de mais de 6% é facilmente alcançável, mas as metas de emissões não são fáceis de atingir devido ao crescimento robusto no primeiro semestre.”

- Com a ajuda de Alfred Cang.

PUBLICIDADE

Leia também

Cinco assuntos quentes para o Brasil nesta semana

Follow-on da AES, assembleia da XP, evento da Itaúsa: Radar SA

Companhias aéreas têm novo impulso com flexibilização de regra de viagem